Flamengo retira ação no STJD contra sorteio da Copa do Brasil

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Por boa relação com o presidente da CBF, Flamengo decidiu por desistir do processo.
Por boa relação com o presidente da CBF, Flamengo decidiu por desistir do processo. Foto: (Wagner Meier/Getty Images)

Depois de toda polêmica criada envolvendo o sorteio das quartas de final da Copa do Brasil e dos mandos de campo da competição, o Flamengo decidiu por retirar a ação que havia entrado no STJD onde tentava tornar inválido o sorteio realizado ainda nesta semana.

Por conta da boa relação que possui com Ednaldo Rodrigues, presidente da CBF, o Flamengo decidiu por dar um passo atrás e não prosseguir com as questões judiciais: "Embora o Flamengo não concorde com a possibilidade de um sorteio sofrer ajustes que interfiram em seu resultado e entenda que o presente processo encerra uma postulação juridicamente correta e justa, o clube prefere nesse momento dar um voto de confiança à nova gestão da CBF, esperando que no futuro os processos sejam mais transparentes e legítimos".

Leia também:

O Flamengo reclamava que sua posição no sorteio havia sido invertida antes de que houvesse a definição dos mandos de campo, mas a razão pela qual a entidade máxima do futebol nacional tomou esta decisão foi porque, há alguns anos, não é permitido que clubes da mesma cidade (no caso deste ano, Flamengo e Fluminense) disputem a mesma perna da fase eliminatória na mesma cidade. Aconteceu, então, que o Flamengo fará o primeiro jogo no Maracanã e o Fluminense decidirá o seu caminho na competição com maior premiação do Brasil no palco sagrado do futebol brasileiro.

Exaltado assim que o sorteio fora realizado, Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, questionou: "O critério foi feito para prejudicar meu time! Por que não inverte o Fluminense então?". Representante do clube no sorteio, o diretor de relações externas Cacau Cotta teve uma conversa séria com os dirigentes da CBF após a decisão, para que lhe fosse explicada a razão da mudança: "Acho que houve uma falha de comunicação. O que falta é comunicação e, para ficar uma coisa bem transparente, que esse critério esteja no regulamento. Quando não está no regulamento, você não se convence, mas, como já tem histórico desse critério de 2013 para cá e com o próprio Flamengo nas oitavas de final, você começa a entender. Agora está nas mãos do jurídico e do presidente essa questão. Se achar lesado, vai buscar seus direitos".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos