Flamengo retoma diálogo em Brasília por mudanças na Lei Pelé e clube-empresa

Diogo Dantas e Igor Siqueira

No dia 17 de fevereiro, dirigentes do Flamengo ganharam o apoio do presidente Jair Bolsonaro em uma reunião em Brasília, para dar andamento a uma agenda de pautas pela aprovação de mudanças para a modernização da Lei Pelé e no modelo de clube-empresa a ser implementado no Brasil.

Nesta semana, Secretaria Nacional de Futebol retomou as discussões e planeja convocar para um grupo de trabalho outros clubes, como Vasco, Corinthians, Athletico-PR, Grêmio e Bahia. O Flamengo lidera a iniciativa e está ao lado do presidente da Secretaria, Ronaldo Lima, que pretende promover algumas reuniões este ano.

A proposta é do ano passado e contempla a criação de câmaras temáticas para debater um marco regulatório que substitua a atual Lei Pelé, considerada uma colcha de retalhos pelos clubes e agora pelo governo federal. No entanto, com a troca do Ministro da Cidadania, pasta que zela pelo Esporte, a situação anda devagar.

Mas o Flamengo quer acelerar o debate e age institucionalmente para isso. O clube provocou tal movimento com o respaldo do presidente Jair Bolsonaro, que aprovou que as pautas fosse levadas aos órgão competentes pelo clube.

Entre ela sa implementação da Lei Geral do Esporte (PLS 68/2017), que abriria precedente para o clube transmitir seus eventos em suas plataformas digitais. A negociação tem como pano de fundo o acordo próximo com a Amazon para se tornar patrocinador master do Flamengo.

Executivos da empresa estiveram nas últimas semanas na Gávea em conversas com a diretoria, para análise de contrato. Outra empresa também estava no radar para ocupar o espaço hoje pertencente ao banco BS2, por isso o acordo ainda não foi assinado.