Flamengo sobra diante do Botafogo, vence por 2 a 0 e assume a liderança do Estadual

Extra
·2 minuto de leitura

Até o acaso parece estar do lado de Rodrigo Muniz. O jovem atacante do Flamengo soube aproveitar a chance surgida com a lesão de Pedro, logo no começo do jogo, para marcar mais um gol. Desta vez, num clássico. Não só se isolou na artilharia do Estadual, com cinco, como ainda abriu caminho para a fácil vitória dos rubro-negros por 2 a 0 sobre o Botafogo.

- Estou trabalhando muito, buscando a oportunidade. E, quando ela aparece, tenho que estar consciente para dar certo. Fico feliz - celebrou o atacante de 19 anos.

O triunfo confirmou a boa fase do jovem time do Flamengo. Com 12 pontos, os rubro-negros assumiram a liderança do Estadual. E ainda impuseram ao Botafogo sua primeira derrota no torneio. Com seis pontos, os alvinegros caíram para sétimo e se afastaram da zona de classificação para as semifinais.

No sábado, o Flamengo tenta manter a liderança contra o Boavista, em Saquarema. Na mesma cidade, o Botafogo vai buscar a reação contra o Nova Iguaçu, no domingo.

A disparidade entre Flamengo e Botafogo em campo fez parecer que o rubro-negro jogava com seu time de estrelas bicampeão brasileiro. Mas não. Foi a equipe de reservas e de garotos recém-promovidos da base que sobrou diante do rival.

Com as linhas de marcação recuadas, o Botafogo decidiu esperar por uma chance de contra-ataque para surpreender o adversário. Mas acabou encurralado pela pressão rubro-negra e não conseguiu criar uma chance sequer no primeiro tempo. Para piorar, a marcação compactada não impediu que o Flamengo trocasse passes livremente. E o que se viu foi um bombardeio. O placar de 1 a 0 (gol de Muniz, aos 23) na descida para o intervalo não condiz com o que foi a primeira etapa: foram nove finalizações contra nenhuma dos donos da casa.

Na etapa final, depois de levar uma bola na trave, o Botafogo ensaiou uma reação. E obrigou Hugo Souza a fazer grande defesa, aos 14, em lance em que Renê ainda precisou ser mais rápido que Kayque para evitar que ele aproveitasse o rebote. Só que a expulsão de Kanu, aos 20, foi a ducha de água fria.

A partir daí, o Flamengo ficou ainda mais à vontade. Contra um rival acuado e que sequer soube fazer retranca, os rubro-negros só precisaram ter paciência e insistir. Aos 39, com uma bomba de fora da área, Hugo Moura deu contornos finais ao placar.