Flamengo testa Arrascaeta e encerra primeira leva de avaliação no elenco

Diogo Dantas
Arrascaeta lamentou rebaixamento do Cruzeiro

O meia-atacante Girgian De Arrascaeta foi o último atleta do elenco do Flamengo a realizar o teste para o novo coronavírus. A coleta aconteceu nesta segunda-feira.

A primeira leva de análises dos jogadores se deu com começo de maio, de olho no retorno aos treinamentos, mas o uruguaio voltou de seu país apenas no último sábado.

Com isso, cumpriu o combinado com a diretoria e se colocou à disposição para os exames. Os demais membros da equipe e da comissão técnica seriam reavaliados também no começo desta semana.

No entanto, a diretoria rubro-negra congelou as ações depois de o Governo do Estado ampliar a quarentena no Rio.

Os debates no departamento de futebol vão acontecer na tentativa de se definir uma estratégia no curto e no médio prazos.

Antes, já estava definido que semanalmente haveria testes para a Covid-19. Agora, a tendência é que eles sejam retomados quando houver um horizonte para o retorno das atividades de futebol.

Com a divulgação de 38 resultados positivos para a Covid-19, includindo três jogadores do elenco principal, após a realização de 293 testes, o Flamengo tenta criar uma bolha de imunidade para voltar a treinar.

O Flamengo quer dar ao seu departamento de futebol respaldo médico e jurídico para recomeçar. E se tornar uma espécie de exemplo de que as empresas devem voltar aos poucos, bandeira defendida pelo Governo Federal. A expectativa é por mais casos como os das 11 pessoas que tiveram contato com o vírus e possuem anticorpos chamados IGG positivos. Ou seja, já teriam passado pelo ciclo imunes. Entre esses, estão dois jogadores do profissional. O clube não divulgou nomes de atletas e dos demais contaminados, mas informou que todos os 38 estão assintomáticos.

O protocolo prevê um processo contínuo de monitoramento com testagem, triagem, isolamento e quarentena de quem teve o resultado positivo e de quem convive com quem foi diagnosticado. Inclusive, mais testes já foram comprados além dos 600 iniciais. O custo estimado é entre R$ 200 por teste. Assim, os três atletas que testaram positivo ficarão isolados em casa, e o mesmo acontecerá com jogadores que tiveram familiares ou funcionários contaminados.

Os atletas contaminados ficam duas semanas em quarentena e depois são testados novamente. Os que convivem com quem teve o vírus diagnosticado se isolam por uma semana, e em seguida são avaliados para saber se foram contaminados. Em caso negativo, são reintegrados ao elenco. Caso contrário, voltam para o isolamento mais longo.