Flamengo x Vasco: Relembre o nó tático de Vanderlei Luxemburgo em Jorge Jesus

Tatiana Furtado
·3 minuto de leitura

Como o ex-presidente do Vasco Eurico Miranda costumava dizer: Flamengo x Vasco é um campeonato à parte. Nem sempre a máxima do polêmico dirigente tinha razão de ser. Mas, no ano passado, o Clássico dos Milhões pode ser inserido nesse rol. O empate em 4 a 4 foi colocado "em outro patamar", parafraseando o atacante rubro-negro Bruno Henrique, que proferiu a sentença após o jogo em referência ao nível técnico do time da Gávea. Graças ao que muitos comentaristas analisaram como nó tático de Vanderlei Luxemburgo sobre o português Jorge Jesus.

Nesta quinta-feira, Luxemburgo reencontra o Flamengo em outra situação. O Vasco está com a corda no pescoço, rondando o Z4. Não é o time em ascensão da rodada 34 do campeonato de 2019, que ainda mirava uma vaga na Libertadores, mas também não encaixava longas sequências de bons resultados. O rubro-negro também não é o mesmo. Na ocasião, o time de Jesus estava há 20 jogos sem perder, liderava o Brasileiro e a vitória sobre o rival significava uma mão na taça na rodada seguinte. Agora, apesar da vice-liderança, a equipe sob o comando de Rogerio Ceni ainda não se firmou.

Por essas razões, a vitória do Flamengo era dada como certa. O único tropeço do time de Jesus havia sido a derrota para o Bahia, três meses antes. A equipe vinha sendo considerável imbatível diante de adversários mais fracos. E, por essas razões acima, o empate do Vasco, aos 48 minutos do segundo tempo, com o gol de Ribamar, teve o sabor de um título.

Os minutos iniciais do jogo foram mais do mesmo do que o Flamengo vinha apresentando em campo. Com menos de um minuto de bola rolando, Éverton Ribeiro já havia aberto o placar após ótima jogada de Reinier, que foi vendido ao fim da temporada.

O gol no início parecia dar a tônica do time de Jesus: muita pressão, posse de bola e inúmeras chances. Mas o time de Luxemburgo soube explorar os pontos fracos do Flamengo na defesa e, surpreendentemente, virou a partida em apenas três minutos. Numa jogada trabalhada, Marrony bateu de primeira e empatou. O Vasco aproveitou o atordoamento do rubro-negro e, logo depois, Pikachu deu uma caneta em Pablo Marí e foi derrubado na área por Rodrigo Caio. Pênalti cobrado e convertido pelo lateral.

Mas se o Flamengo falhava, o Vasco também. Ainda nos acréscimos do primeiro tempo, Danilo Barcelos tentou cortar cruzamento de Rafinha e chutou para o próprio gol.

A intensidade das duas equipes continuou na segunda etapa. Em menos de 10 minutos, o Vasco ficou à frente no placar de novo. Marcos Júnior aproveitou que a defesa rubro-negra deixava espaços e apareceu sozinho para aproveitar o cruzamento de Rossi.

Nos minutos seguintes, o Flamengo mostrou por que era considerado imbatível. Pressionou o rival e contou com a estrela de Bruno Henrique para virar o jogo. Aos 20 minutos, bonita jogada com Arrascaeta e veio o empate. Aos 40, um golaço que parecia ter encerrado o papo.

Só que o Vasco não desistiu e usou suas armas até o fim. Já no abafa, nos acréscimos da partida, contou com a falha dupla de Rodrigo Caio e o goleiro Diego Alves. O primeiro não ganhou a disputa de cabeça com Ribamar; o segundo saiu errado e teve de buscar a bola no fundo da rede.

Apesar da fala de Bruno Henrique, que virou meme e a hashtag otopatamar, o sabor da vitória no empate foi apreciado pelos vascaínos.