Flavio Bolsonaro abre CPI com discurso machista; senadora rebate

João de Mari
·4 minuto de leitura
Senator Flavio Bolsonaro smiles during the inauguration ceremony of the new Tourism Minister Gilson Machado, at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil, December 17, 2020. REUTERS/Ueslei Marcelino
Para ele, as mulheres se "conformam em acompanhar os trabalhos à distância" (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
  • O senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, abriu seu discurso nesta terça-feira (27), durante a CPI da Covid, com um discurso machista

  • Flávio disse que as mulheres "já foram mais respeitadas e mais indignadas" e "não fazem nem questão de estar" na CPI

  • Senadora Eliziane Gama rebateu a declaração e disse que as mulheres têm "se indignado" com assuntos políticos, incluindo a condução da pandemia pelo governo federal

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), abriu seu discurso nesta terça-feira (27), durante a CPI da Covid que vai apurar eventuais omissões do governo federal no combate à pandemia, com uma fala machista.

Flávio disse que as mulheres "já foram mais respeitadas e mais indignadas" e "não fazem nem questão de estar" na Comissão Parlamentar de Inquérito. Para ele, as mulheres se "conformam em acompanhar os trabalhos à distância". 

Leia também

"Em primeiro lugar, acho que as mulheres já foram mais respeitadas e mais indignadas, né? Estão fora da CPI e não fazem nem questão de estar nela. Se conformam em acompanhar os trabalhos à distância", disse Flávio.

Dos 11 senadores titulares indicados pelos líderes dos partidos para compor a CPI da Covid — além dos seis suplentes —, não há uma mulher sequer.

"Não vamos admitir ironia machista"

A líder do bloco Senado Independente, senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), disse que as mulheres têm "se indignado" com assuntos políticos, incluindo a condução da pandemia pelo governo federal — pauta da CPI.

"Quero dizer que eu, Eliziane Gama, e nenhuma das senadoras vamos admitir ironia machista em relação às mulheres. Estamos aqui, vamos participar ativamente e teremos nosso protagonismo nesta Casa", declarou.

Segundo a senadora, ela irá acompanhar todas as reuniões da CPI mesmo não sendo membro da comissão.

Para senadora, Flávio usou ironia

Após a discussão, Flávio reclamou ter sido acusado de machismo. Ele ainda disse que quer ver "essa energia" para a inclusão de mulheres na CPI. 

A senadora Eliziane, por sua vez, argumentou que ele fez essa defesa por mulheres na comissão com ironia.

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) disse que as mulheres têm
A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) disse que as mulheres têm "se indignado" com assuntos políticos, incluindo a condução da pandemia pelo governo federal (Foto: Agência Brasil)

Flávio tenta impedir Renan Calheiros de ser relator da CPI

Nesta terça-feira (27), Flávio também anunciou na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid que vai pedir a saída do seu partido do bloco do MDB. O objetivo é alterar a composição da CPI, baseada na proporcionalidade das bancadas no Senado, e evitar que o MDB assuma a relatoria da comissão.

Mais cedo, o filho 02 do presidente Jair Bolsonaro considerou uma "ingratidão" da parte do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), de instalar a CPI da Covi, após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Eu tenho um CPF, e o presidente da República tem outro. Da minha parte, entendo, sim, que houve uma ingratidão, uma falta de consideração por parte do presidente [do Senado, Rodrigo Pacheco], de pelo menos nos buscar para que nós pudéssemos dar o nosso ponto de vista sobre a conveniência e a oportunidade de se instalar uma CPI como essa”, disse Flávio Bolsonaro.

O presidente do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região suspendeu hoje a decisão da Justiça Federal do Distrito Federal que impedia Renan Calheiros (MDB-AL) de assumir a relatoria da CPI da Covid que vai investigar as ações e omissões do governo federal na condução da pandemia do coronavírus e o repasse de recursos federais na área da saúde a estados e municípios.

Omar Aziz é eleito presidente da CPI da Covid e Randolfe como vice

Senado instalou nesta terça-feira (27) a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid para investigar as ações e omissões do governo federal na condução da pandemia do coronavírus e o repasse de recursos federais na área da saúde a estados e municípios.

Nesta primeira reunião, os membros da comissão elegeram os senadores Omar Aziz (PSD-AM) como presidente e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) para a vice-presidência.

Omar Aziz teve oito votos contra três votos para senador Eduardo Girão (Podemos-CE), nome escolhido pela base aliado de Jair Bolsonaro. O governo contava ter quatro votos para Girão.

"Essa CPI não pode servir para se vingar de absolutamente ninguém. Essa CPI tem que fazer justiça a milhares de órfãos que a covid está deixando", afirmou Aziz, em seu primeiro discurso.