Flávio Bolsonaro ataca Lula ao responder sobre imóveis em dinheiro vivo

Flávio utilizou as redes sociais para repetir o argumento de Jair Bolsonaro de que não há problema nenhum em adquirir imóveis com valores pagos em dinheiro vivo. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Flávio utilizou as redes sociais para repetir o argumento de Jair Bolsonaro de que não há problema nenhum em adquirir imóveis com valores pagos em dinheiro vivo. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho “zero um” do presidente Jair Bolsonaro (PL), respondeu nesta quinta-feira (1º) à publicação de uma reportagem sobre a compra de 51 imóveis da família dele em dinheiro vivo.

Flávio utilizou as redes sociais para repetir o argumento do pai de que não há problema nenhum em adquirir imóveis com valores pagos em espécie.

“O desespero da grande mídia com Bolsonaro é grande! ‘Mode [sic.] corrente’ no Brasil é o REAL, e não ‘dinheiro vivo’. E se tá na escritura de um imóvel é declarado, transparente, tudo legal”, afirmou.

A prática, apesar de não ser ilegal, é uma estratégia comum para lavagem de dinheiro.

Segundo a reportagem do portal UOL, comentada pelo senador, a família Bolsonaro comprou 51 imóveis desde a década de 1990, em transações que totalizam 25,6 milhões de reais, pela correção do IPCA, com todos os pagamentos feitos em moeda corrente.

Na publicação, Flávio aproveitou para criticar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

“Errado é quem bota sítio em nome de laranja para esconder pagamento de propina”, tuitou o Zero Um, citando indiretamente o caso do sítio em Atibaia (SP) investigado pela Operação Lava Jato que levou o ex-presidente a uma condenação posteriormente anulada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Na sequência, Zero um afirmou que a Procuradoria-Geral da República arquivou em 2015 a investigação que tratava sobre imóveis de Bolsonaro. O congressista disse que a reportagem publicada é uma tentativa de “requentar o tema no meio da eleição”.

“Em 2015, a própria PGR arquivou denúncia mentirosa sobre os imóveis do “clã” Bolsonaro, feita pela Folha de São Paulo, por não haver “elementos indiciários mínimos de ilícitos.”

Agora tentam requentar o tema no meio da eleição. Não colou, e não vai colar mais essa manipulação”, escreveu.