Flávio Bolsonaro pede boicote a Fiat e Gerdau após demissão de Maurício Souza por homofobia

·2 min de leitura
Brazilian Senator Flavio Bolsonaro, son of President Jair Bolsonaro, attends the Marechal Rondon Communications Award ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, on September 14, 2021. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images.
  • Atleta fez postagem com conteúdo homofóbico

  • Patrocinadores ficarem incomodados e pressionaram a Minas Tênis Clube

  • Filho do presidente comentou em rede social do jogador

Depois das marcas Fiat e Gerdau, que patrocinam a Minas Tênis Clube, terem cobrado da agremiação um posicionamento sobre as declarações homofóbicas do jogador de vôlei Maurício Souza, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) decidiu incentivar um boicote às empresas.

Nesta quarta-feira (27), a Minas optou por rescindir o contrato do atleta.

"Não compre produtos da Fiat e da Gerdau, são contra a liberdade de opinião! Estes patrocinadores do vôlei do Minas Tênis Clube são os responsáveis pela perseguição ao grande Maurício Souza! Comer o pão que o diabo amassou pra vencer na vida, pelos próprios méritos, não vale nada para esses patrocinadores”, escreveu o senador no perfil do atleta.

“Toda minha solidariedade a você, Maurício! Não vai faltar time querendo seu talento e respeitando suas opiniões", disse o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O pedido de boicote de Flávio vem em um momento em que o carro mais barato da Fiat, o Fiat Mobi, começa no valor de cerca de R$ 50 mil reais.

Entenda o caso

No dia 12 de outubro, Mauricio Souza fez um post no Instagram criticando o novo Super-Homem, da DC Comics, que assume ser bissexual, e foi criticado diretamente pelo companheiro de seleção Douglas Souza, que é homossexual.

O Minas se pronunciou oficialmente sobre as postagens apenas na última segunda (25), após pressão de torcedores. A principal torcida do vôlei do clube chegou a tomar a decisão de ignorar o atleta por causa de suas mensagens

"O clube é apartidário, apolítico e preocupa-se com inclusão, diversidade e demais causas sociais. Não aceitamos manifestações homofóbicas, racistas ou qualquer manifestação que fira a lei", afirmou, em nota.

O clube disse estar ciente das postagens do atleta. Apontou que os jogadores têm liberdade para se expressar livremente, mas fez uma ressalva.

"A agremiação salienta que as opiniões do jogador não representam as crenças da instituição sociodesportiva. O Minas Tênis Clube pondera que já conversou com o atleta e tem orientado internamente sobre o assunto", conclui o Minas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos