Flávio Dino anuncia que pedirá filiação ao PSB

·2 minuto de leitura
Flávio Dino, governador do Maranhão (PCdoB) - Foto: Agência Brasil
Flávio Dino, governador do Maranhão deixou o PCdoB na quinta-feira - Foto: Agência Brasil
  • Flávio Dino entrou com pedido de filiação ao PSB

  • Dino deixou o PCdoB na última quinta-feira, após 15 anos no partido

  • Na próxima terça-feira, Dino e Marcelo Freixo se filiarão oficialmente ao PSB

O governador do Maranhão, Flávio Dino, anunciou nesta sexta-feira (18) que pedirá filiação do PSB (Partido Socialista Brasileiro). Ele deixou o PCdoB na última quinta-feira (17) após 15 anos no partido e alegou "visões diferentes" com a legenda

Dino afirmou que a filiação será feita oficialmente na próxima terça-feira (22), junto com o deputado federal Marcelo Freixo, que deixou o PSOL para compor o quadro do PSB

"Hoje encaminhei meu pedido de filiação ao PSB, por intermédio do presidente Carlos Siqueira. Já comuniquei aos colegas governadores Paulo Câmara e Renato Casagrande. Filiação será na terça, 11h, junto com o amigo e líder Marcelo Freixo", escreveu. 

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Saída do PCdoB 

Na última quinta-feira (17), Dino anunciou que deixaria o PCdoB. "Agradeço ao PCdoB a acolhida fraterna nesses 15 anos de militância. Diferenças que hoje temos, de estratégia e tática políticas, são menos importantes do que o meu reconhecimento ao papel histórico do partido na defesa de um novo projeto nacional de desenvolvimento para o Brasil", escreveu Dino nas redes sociais.

O governador afirmou que há diferenças entre ele a legenda, mas desejou "êxito ao Partido na sua caminhada em defesa de uma Pátria Livre e Justa". No documento de desfiliação, a justificativa foram as "visões diferentes".

Saída de Freixo do PSOL

Em 11 de junho, Freixo anunciou que deixaria o PSOL depois de 16 anos no partido. Segundo Freixo, o principal motivo para deixar o PSOL é a luta contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). “O nosso dever histórico é derrotar Bolsonaro nas urnas e o bolsonarismo enquanto projeto de sociedade. E sei que o PSOL e eu estaremos do mesmo lado para cumprir essa tarefa”, escreveu.

“É urgente a ampliação do diálogo e a construção de uma aliança com todas as forças políticas dispostas a somar esforços na luta contra o bolsonarismo”, pontou. Segundo Freixo, a decisão de deixar o PSOL foi tomada junto à dirigentes da legenda.

Nas redes sociais, o deputado relembrou a trajetória dentro do partido. “Ingressei no PSOL em 2005, antes de me eleger deputado estadual pela primeira vez. De lá para cá, compartilhamos uma bela história e colocamos o partido no centro da luta pela democracia brasileira”, disse Freixo.

“Hoje, encerro esse ciclo com a certeza de que apesar de não estarmos juntos daqui para a frente no mesmo partido seguiremos na mesma trincheira de defesa da vida, da democracia e dos direitos do povo brasileiro.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos