Flávio Dino explica proximidade com Luciano Huck: "Pode ser que a esquerda sozinha não consiga"

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Reprodução
Reprodução

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B) fala com exclusividade ao Yahoo Notícias em live realizada em nossa página no Facebook. Ele foi alvo de críticas da esquerda brasileira ao se reunir, por mais de uma vez, com o apresentador Luciano Huck, possível candidato à presidência em 2022.

Para Dino, estar ao lado de figuras como Huck não é o ideal, mas “essencial” para derrotar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no pleito de 2022. O governador vê nas eleições do EUA, com uma indicação conjunta do campo progressista com Joe Biden.

“Pode ser que a esquerda sozinha não consiga. Por isso é muito importante que se tenha reuniões, eu fiz mais até de uma reunião com o Huck. Mas não é que eu o apoio. O Dino apoiou o Huck. Não. Mas nesse momento talvez tenhamos que fazer essa escolha. Vamos deixar o Bolsonaro ganhar? Deus nos livre! O Brasil não aguenta, a Amazônia não aguenta, o Pantanal não aguenta, mulheres e negros não aguentam mais quatro anos de Bolsonaro. Por isso tem que conversar com Huck”, afirmou.

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B) fala com exclusividade ao Yahoo Notícias em live realizada em nossa página no Facebook.

QUEM É FLÁVIO DINO

Advogado, político, professor e ex-juiz federal, Flávio Dino foi uma das surpresas das eleições de 2014, quando ganhou o estado do Maranhão pela primeira vez. Quatro anos mais tarde, voltou a ser eleito governador do estado pelo qual também foi deputado federal entre 2007 e 2011.

Dino foi nome marcante da administração da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), na qual foi nomeado presidente da Embratur entre 2011 e 2014. É dessa gestão que estão alguns de seus maiores percalços políticos.

A gestão de Dino a frente da Embratur ficou marcada por irregularidades supostamente ocorridas em 2012. À época, dirigentes da estatal afirmaram que não passava de “denúncias utilizadas indevidamente no processo eleitoral” daquele ano.

Quando assumiu o Maranhão, Dino esteve de frente com um dos maiores problemas penitenciários da história do país com a crise no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, palco de seguidas e sangrentas revoluções.

Sua eleição para governador do Maranhão acaba sendo simbólica por romper com anos de perpetuação no poder da Família Sarney, representada então pela governadora à época, Roseane Sarney. Desde o término da Era Vargas o Maranhão realizou doze eleições diretas e três indiretas para o governo do estado e nisso o poder foi exercido por Vitorino Freire até o Regime Militar de 1964 e desde então por José Sarney.