Fluminense: Com aproveitamento no Brasileiro melhor que o de Odair, Marcão elogia Roger Machado, mas se diz pronto para assumir

Extra
·2 minuto de leitura

O Fluminense vive sua melhor fase desde que Marcão assumiu o comando da equipe. Após um período de oscilações, engatou uma sequência de resultados positivos que asseguraram o retorno à Libertadores. Apesar deste sucesso, ele se prepara para mais uma vez entregar o posto. Os tricolores devem anunciar, depois do Campeonato Brasileiro, a chegada de Roger Machado. Ao falar do quase substituto — já acertado com o clube —, o treinador interino procurou não mostrar frustração.

— Se tudo der certo, se confirmar... É uma pessoa muito boa, vai contribuir, vai agregar. E, da mesma forma, o Marcão vai ajudar. O Marcão é um funcionário do clube. A gente está disposto a todo momento elevar o manto tricolor para o mais alto nível possível.

Já são sete jogos de invencibilidade com Marcão. Uma reação que fez com que o aproveitamento do time no Brasileiro desde que ele assumiu já seja melhor do que sob o comando do antecessor Odair Hellmann: 58,3% contra 54,1%. O desempenho premia sua aposta pessoal de modificar a forma como a equipe jogava. Ele mesmo reconhece que o estilo de Fernando Diniz, técnico do Fluminense em 2019, o inspira mais do que o de Odair.

— O Marcão veio de um trabalho do Diniz, que jogava de uma forma. Depois, mesmo trabalhando de dentro, com o Odair, era um outro modelo. Eu gosto, a gente respeita muito o trabalho do Fernando — afirma Marcão, que assume a equipe de forma interina pelo segundo Brasileiro seguido:

— No finzinho do campeonato de 2019, nossa equipe desenvolveu a maneira de construção, de sair jogando. Mas o Fluminense do Odair era físico, forte. A gente tinha que fazer ajustes. No momento que a gente entendeu o nosso jogo, de que maneira a gente podia jogar, a gente achou essa maneira.

Assim como em 2019, Marcão vem conseguindo entregar bons resultados. Um histórico que o deixa confiante para dizer que está preparado para assumir o trabalho. Com a chegada de Roger Machado, contudo, ele deve voltar ao comando da equipe sub-23, que iniciará a disputa do Campeonato Carioca.

— Se não me sentisse preparado, não estaria sentado nessa cadeira. É uma responsabilidade muito grande assumir o Fluminense. A gente se preparou para isso, tem total apoio do presidente, do diretor Paulo (Angioni), para fazer o nosso trabalho da forma que eles conhecem. Nosso estafe é muito forte. A gente tinha total certeza de que poderia segurar da maneira que segurou tudo — salientou:

— O momento que o Marcão achar que vai ter que sair ou o presidente falar "Marcão, seu espaço não é mais esse aqui, vai procurar uma outra coisa", não vai ter problema nenhum. O Marcão vai para o mercado, vai tentar o emprego dele, mas hoje o Marcão está extremamente feliz junto à torcida de garantir essa Pré-Libertadores.