Fluminense supera maratona de quase 10 mil km e passa invicto por série de seis jogos com viagens

Após empatar em 2 a 2 entre com o Santos, nesta segunda-feira, na Vila Belmiro, o Fluminense pode respirar aliviado por dar fim a uma das séries mais complicadas desta temporada. Não apenas pelos adversários, mas pela logística que teve que ter durante este período. Afinal, os últimos seis jogos disputados pelo tricolor contaram com viagens de avião ou ônibus e obrigaram o clube a percorrer quase 10 mil km — 9.631,18 km no total.

Bastidores do Fluminense: veja as últimas notícias e análises

Saiba os valores: Flu aumenta premiação com a Copa do Brasil

Entrevista: Fred fala de pós-carreira, glórias e dramas: 'A torcida do Fluminense cuidou de mim'

O retorno de Santos foi a última delas (até agora). O tricolor voltou de ônibus para São Paulo e depois pegará uma avião rumo ao Rio de Janeiro. O próximo jogo será diante do Cuiabá, que marca o retorno ao Maracanã após quase um mês longe do estádio. Ao mesmo tempo, o Fluminense pode se orgulhar de ter passado invicto desta maratona.

Veja o ranking: Os 30 maiores ídolos da história do Fluminense

Fluminense: os seis jogos que ajudam a entender a história

Nos últimos 24 dias, o Fluminense venceu o Cruzeiro no Mineirão, empatou com o São Paulo no Morumbi, bateu o Goiás na Serrinha, superou o Bragantino em Volta Redonda, levou a melhor sobre o Fortaleza no Castelão e agora empatou com o Santos na Vila Belmiro. As viagens cobram preço e o desgaste físico já é visível no tricolor.

A última vez que o Fluminense jogou no Maracanã foi no dia 9 de julho, na despedida de Fred, na vitória por 2 a 1 diante do Ceará. Desde então, só atuou "fora de casa". No único jogo como mandante deste período, teve que ir para Volta Redonda para enfrentar o Bragantino porque o Maracanã estava fechado para reforma do gramado.

Coincidentemente, a semana da última partida do Fluminense no Maracanã marca também a última semana que o técnico Fernando Diniz teve livre para treinar. Há 24 dias, o tricolor não sabe o que é descansar entre uma sequência de jogos entre quarta e domingo. Isso cobra o preço na parte física da equipe.

Após o empate diante do Santos, o auxiliar Eduardo Barros, que substituiu Fernando Diniz, que cumpria suspensão, comentou sobre o assunto.

— Hoje, tivemos que reverter um placar adverso e tivemos competência e condição física para fazê-lo. Passamos mais de 60 minutos correndo atrás do resultado. Não sei se o desgaste foi determinante para o resultado. Agora, duas semanas abertas depois de uma maratona dessas será essencial. Não só para descansar os jogadores, mas também para fazer os ajustes que o Diniz quer — declarou.

O Fluminense tem dois desfalques para a próxima rodada do Brasileiro: o volante André e o atacante Caio Paulista. Os dois acumularam três cartões amarelos e estão suspensos para a partida diante do Cuiabá, no próximo domingo, às 16h (de Brasília), no Maracanã.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos