Fluminense vence o Ceará em noite de festa inesquecível para ídolo Fred

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A noite deste sábado entrou para a história do Fluminense e do futebol brasileiro. Existe algo que torna a aposentadoria de Fred um evento especial, quando comparada a outras despedidas de ídolos de grandes clubes do país. Diferentemente do que foi a festa do Internacional para D'Alessandro, do que certamente será a do Corinthians, quando o goleiro Cássio pendurar as chuteiras, a do tricolor foi voltada para um centroavante. É meio cruel com os outros jogadores, mas é a mais pura verdade: ninguém é mais amado por uma torcida do que seu goleador.

Isso e mais todos os feitos acumulados pelo camisa 9 com a camisa do time das Laranjeiras explicam a atmosfera catártica no Maracanã na vitória do Fluminense sobre o Ceará por 2 a 1, pelo Campeonato Brasileiro. O tricolor embalou na competição, chegou cinco vitórias nas últimas sete partidas, dormirá no segundo lugar. Mas quem protagonizou a noite foi o jogador que começou no banco de reservas e entrou em campo aos 33 minutos do segundo tempo.

Sua entrada foi possível graças à boa atuação do time treinado por Fernando Diniz. Contra um rival perigoso, especialmente nos contra-ataques, o Fluminense soube se impor. Abriu o placar com Germán Cano, no primeiro tempo. No segundo, ele deu a assistência para Matheus Martins. Ambos foram comemorar com ídolo.

O jogo seguro, com uma boa vantagem no placar, era o que todo tricolor esperava. Fred, desde o seu retorno ao Fluminense, adotou uma postura de se colocar como exemplo, uma entidade acima de brigas por posição na equipe. Quando não esteve bem, não jogou. De uns tempos para cá, perdeu espaço para Germán Cano e não reclamou.

Com as condições favoráveis, fez a felicidade de todos e entrou no lugar do camisa 14. Teve participação discreta, mas não se incomodou. Sorriu, pediu o canto da torcida e viu outro veterano brilhar intensamente no Maracanã. Fábio, aos 41 anos, foi uma verdadeira muralha à frente do gol tricolor. Quando o Ceará ameaçou, foi ele quem garantiu que a festa de Fred fosse completa. Nem mesmo o gol de Luiz Otávio, nos acréscimos, mudou isso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos