FMI e Banco Mundial pedem que G7 libere vacinas excedentes e aumente transparência

·1 minuto de leitura

WASHINGTON (Reuters) - Os chefes do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial pediram nesta quinta-feira ao G7 que libere qualquer excesso de vacinas da Covid-19 para países em desenvolvimento o mais rápido possível e aos fabricantes que acelerassem produção.

Em uma declaração conjunta ao G7, a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, e o presidente do Banco Mundial, David Malpass, também apelaram aos governos, empresas farmacêuticas e grupos envolvidos na aquisição de vacinas para aumentar a transparência sobre a contratação, financiamento e entregas.

"Distribuir vacinas mais amplamente é uma necessidade econômica urgente e um imperativo moral," disseram eles. "A pandemia do coronavírus não vai acabar até que todos tenham acesso às vacinas, incluindo pessoas nos países em desenvolvimento."

(Reportagem de Andrea Shalal e David Lawder)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos