Foco de luz que não se apagava emociona em homenagem a Domingos Montagner

Um fato surpreendente chamou a atenção na homenagem a Domingos Montanger na noite de quarta-feira no Teatro do Sesi, na Avenida Paulista. O evento marcou o lançamento da biografia do ator, "O espetáculo não para", e uma apresentação especial da peça "A noite dos Palhaços Mudos", da companhia criada por Domingos, que deu a ele e a Fernando Sampaio, seu principal parceiro, o Prêmio Shell de Melhores Atores em 2008.

Algumas horas antes de começar o espetáculo, durante o ensaio à tarde, um foco de luz bem no centro do palco não se apagava, mesmo com todo o esforço da equipe técnica do teatro. A peça quase foi cancelada, já que ninguém conseguia apagar a luz. Às 19h40, já com 40 minutos de atraso e mais de 300 pessoas aguardando no foyer, finalmente conseguiram contornar o imprevisto, permitindo o início da peça, que é toda interpretada na penumbra.

Para amigos, parentes e integrantes da La Mínima, a luz que teimava em não se apagar foi uma coincidência divina. O espetáculo terminou com aplausos calorosos e muitas lagrimas dos fãs, de Fernando Sampaio no palco e da viúva Luciana Lima na plateia (ela que estava acompanhada dos três filhos, Antônio, Leo e Dante).

Outros famosos e pessoas que trabalharam com Domingos também foram prestigiar a homenagem e o lançamento da biografia. Dentre eles, Duca Rachid, uma das autoras de “Cordel encantado”, estreia do ator em novelas. O irmão de Domingos, Francisco, a quem o artista chamava de Dico, também esteve presente no evento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos