Fome e desespero entre as vítimas de inundações na Índia

Por Archana THIYAGARAJAN
(17 de jul) Indianos caminham levando seus pertences em rua alagada pelas chuvas de monção, no distrito de Sitamarhi, Bihar, na Índia

Com água até o peito, carregando malas na cabeça, os moradores do estado indiano de Bihar, vítimas das inundações de monção que atingem a região, estão desesperados e famintos.

"Quando muitos de nós, os pobres, acabamos submersos, os políticos aparecem. Mas normalmente ninguém se importa conosco", diz à AFP Raj Majhi, um comerciante local.

Como a de muitos outros, a casa de Majhi está submersa e se vê apenas o telhado. Sua família conseguiu fugir por uma pequena superfície de terra, perto de uma estrada, onde cozinham em um minúsculo fogão.

As enchentes são comuns no estado de Bihar, que é geralmente um dos mais afetados pela temporada de monções, que vai de junho a setembro. Todo o ano, essa época causa danos e mortes.

Bihar também é uma das regiões mais pobres do sul do continente asiático, e seus moradores se sentem desamparados a cada ano durante o período de inundações.

Causadas por chuvas torrenciais em Bihar e ao longo da fronteira com o Nepal, as enchentes deste ano não têm dado trégua.

Até o momento, 67 pessoas morreram somente neste estado, e cerca de 4,5 milhões foram afetadas até agora. O nível da água continua subindo.

Várias barracas construídas com palha foram arrastadas pela chuva, e muitas comunidades estão isoladas. Estradas e pontes foram destruídas, ou estão inutilizadas, o mesmo acontecendo com as plantações.

No distrito de Sitamarhi, as águas cobrem casas e estradas. Abandonados à própria sorte, seus habitantes estão exaustos. Forçados a enfrentar correntes de água e lama, aguardam que a ajuda chegue pelas pequenas ilhas, ou terras altas, que ainda não foram inundadas.

Sonabati Devi conseguiu salvar algumas de suas cabras, mas não muitas.

"Saímos de casa para nos salvar e deixamos todos os nossos pertences", diz essa mulher, sentada em frente a uma barraca, feita à mão com material que as pessoas conseguiram salvar das inundações.

"Meus filhos continuam me pedindo comida. Me dizem que estão com fome, mas o que eu posso fazer?", lamenta ela, que consegue comer apenas uma vez por dia, quando recebe uma ração de "khichdi", um prato feito com lentilhas e arroz.

E, quando as águas baixarem, todos terão a terrível tarefa de limpar suas casas, cheias de detritos trazidos pelas enchentes.

As chuvas de monção mataram mais de 270 pessoas nos últimos dias no sul da Ásia e afetaram milhões de habitantes, de acordo com um novo balanço divulgado nesta quarta-feira pelas autoridades dos diferentes países atingidos.