Fonoaudiólogo preso por abuso sexual tinha vídeos de pornografia infantil no celular

·2 min de leitura
Fonoaudiólogo foi preso por abusar de crianças (Henrique Kawaminami/Campo Grande News)
Fonoaudiólogo foi preso por abusar de crianças (Henrique Kawaminami/Campo Grande News)
  • Primeira denúncia foi feita por uma mãe no começo deste mês

  • Fonoaudiólogo trancava a porta do consultório e colocava música alta

  • Pais eram proibidos de acompanharem a consulta com as crianças

O fonoaudiólogo Wilson Rabelo, de 30 anos, que foi preso na semana passada por abusar sexualmente de crianças, mantinha imagens e vídeos de pornografia infantil no celular.

As informações foram reveladas pela Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul.

De acordo com a titular da Depca, Fernanda Mendes, as imagens encontradas no celular não são de vítimas do fonoaudiólogo, mas de outras crianças sendo abusadas.

No Brasil, há duas normas sobre pornografia infantil: a Lei n. 8.069/90 e a Lei n. 11.829/08. Conforme elas, armazenar imagens de pornografia infantil é crime com pena de até quatro anos de reclusão.

Denúncias

Atuando há pouco mais de um ano em Campo Grande, o fonoaudiólogo pode ter atendido pelo menos 200 crianças. A primeira denúncia foi feita por uma mãe no começo deste mês.

Ela relatou ao portal G1 que na primeira consulta do seu filho, de 8 anos, foi repreendida pelo fonoaudiólogo, que disse que na próxima ela não poderia participar.

Há um mês, ela começou a notar mudanças no comportamento da criança. De acordo com a mãe, o menino teria perguntado ao irmão mais velho se "era normal o tio [fonoaudiólogo] passar a mão no pipi" dele.

"Meu filho contou primeiro para o irmão. Já fazia uns 10 dias que ele [vítima] perguntou se era normal o fono passar a mão no pênis. O meu filho disse que tinha vergonha em contar, estava com medo. Meu filho mais velho não comentou, esperou, não falou nada. Na semana passada, o mais velho falou que se ele [vítima] não falasse pra mim, ele ia contar. Aí chegaram os dois e me contaram", contou a mãe.

À mãe, o garoto contou que o fonoaudiólogo trancava a porta do consultório, colocava música e pedia para a criança subir na maca, onde praticava os abusos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos