Forçadas a comparecer ao recrutamento anual do exército, mulheres trans tailandesas posam com seus certificados e movimentam as redes

O Globo
·1 minuto de leitura

Abril é o mês do recrutamento do exército Tailandês e na data todos os homens com 21 anos ou mais precisam se alistar. A obrigatoriedade é estendida inclusive às mulheres transgênero que ainda têm certidão de nascimento masculina, que decidiram fazer um movimento postando fotos segurando o certificado que as isentam de prestar o serviço militar. Muitas delas se vestem com glamour para fazer o clique polêmico e chamaram a atenção do mundo por serem obrigadas a participar do processo seletivo mesmo não se identificando como homens. Do dia 1 até 9 de abril, homens e mulheres transgênero ficam em filas por horas para se apresentarem ao alistamento.

Para serem dispensadas, elas precisam comparecer ao centro de recrutamento com atestados médicos comprovando seu novo sexo, o que as isenta de servir, já que mulheres trans não são permitidas no exército tailandês. Conhecida por sua beleza, Narisara Aonwang, de 23 anos, chegou às instalações na província de Phitsanulok com documentos provando que ela havia mudado de sexo. Além de não poder ingressar no exército, a comunidade também não recebe os mesmos benefícios de casamento que os casais heterossexuais, embora tenham permissão para se casar.As forças armadas da Tailândia incluem o Exército, a Marinha Real e a Força Aérea Real e têm cerca de 300.000 funcionários estaduais. Acredita-se que cerca de 8% da população do país pertença à população LGBTQ, mas as leis tailandesas ainda impõem restrições aos seus direitos.