Forçadas a fazer '15 a 20 programas por dia', brasileiras são resgatadas de rede de exploração em Londres

·7 minuto de leitura
Silhueta feminina
As três brasileiras chegaram à Inglaterra em 2020, após receberem uma "bolsa de estudos" para um curso de inglês que duraria algumas semanas

Todos os passos monitorados a distância pelo celular. Uma câmara escondida no quarto e ameaças de envio de vídeos íntimos para familiares. Passaporte, documentos e dinheiro confiscados. Contato com amigos proibido. Uma rotina forçada de sexo com 15 a 20 clientes por dia.

Era esse o cotidiano de três brasileiras resgatadas de trabalho análogo à escravidão pela polícia, no noroeste de Londres, em uma complexa investigação que começou em março do ano passado.

O caso chegou a um desfecho no dia 9 de agosto, quando Shana Stanley, uma mulher de 29 anos, e Hussain Edanie, um homem de 31, confessaram crimes de controle de prostituição e organização de viagem com intuito de exploração, envolvendo as três brasileiras e uma vítima inglesa.

Eles foram condenados e presos - Edani recebeu uma sentença de 8 anos e 2 meses e Stanley, de 3 anos e 7 meses.

Os detalhes sobre o caso foram obtidos com exclusividade pela BBC News Brasil e ilustram os graves riscos ligados a promessas fáceis de viagens e bolsas de estudos no exterior.

"Me venderam um sonho que virou um pesadelo", diz hoje uma das brasileiras, que ainda se recupera de uma sequência assustadora de abusos no submundo da capital inglesa.

As identidades de todas as vítimas foram preservadas nesta reportagem.

"Seu atestado de morte"

As três brasileiras chegaram à Inglaterra em 2020, após receberem uma "bolsa de estudos" para um curso de inglês que duraria algumas semanas.

A polícia não deu detalhes sobre como as vítimas foram abordadas.

Pouco depois de desembarcarem, no entanto, elas se tornaram vítimas de um lucrativo mercado de tráfico humano que, segundo a ONU, afeta 2,5 milhões de pessoas todos os anos e movimenta mais de 30 bilhões de dólares.

"Graças à coragem e bravura das vítimas, conseguimos reunir evidências irrefutáveis que fizeram com que Edani e Stanley não tivessem outra opção a não ser se declarar culpados, o que impedirá que eles prejudiquem outras pessoas", diz o detetive Pete Brewster, um dos responsáveis pela investigação.

Hussain Ednanie e Shana Stanley
Hussain Ednanie e Shana Stanley foram condenados pelo caso envolvendo as brasileiras

Tudo começou depois que uma das brasileiras pediu ajuda à polícia, em março do ano passado, após uma discussão com a mulher recém-condenada pela Justiça inglesa.

Durante a briga, a vítima chegou a tentar telefonar para a polícia, mas foi empurrada por Stanley, que em seguida, segundo registros oficiais, a ameaçou:

"Você assinou seu próprio atestado de morte."

Este foi o estopim para a brasileira insistir em buscar proteção policial e mostrar fotos da exploradora, dando início à investigação conduzida pela equipe de Escravidão Moderna e Exploração Infantil da Met Police, de Londres.

Em depoimento, a vítima contou que, pouco depois de começar o curso de inglês na cidade de Manchester, foi convocada a viajar a Londres para se encontrar com a mulher com quem havia negociado a bolsa de estudos.

Ao encontrá-la, ouviu que teria que assinar um contrato, do contrário "não poderia voltar para o Brasil", "teria que viver nas ruas de Londres" e "nunca mais veria a família".

Controle

O contrato, segundo a polícia, previa que a brasileira "vendesse seu corpo". Aos investigadores, ela disse que não tinha alternativas e que assinou o documento com medo de não conseguir mais retornar ao Brasil.

A história se repetiu com as outras brasileiras, que também chegaram a Inglaterra após uma promessa de estudar inglês com curso, acomodação e passagens pagas.

Polícia britânica
Uma das brasileiras pediu ajuda à polícia, em março do ano passado, após uma discussão com a traficante

Elas eram obrigadas a conseguir ganhar £500 por dia com programas (o equivalente a R$ 3.500 diários). Em troca, recebiam um pagamento semanal de £250 (R$ 1750), mais £50 (R$ 350) para alimentação.

Para conseguirem alcançar o alto valor estipulado pelos exploradores, as mulheres frequentemente se viam obrigadas a se encontrar com 15 a 20 clientes em um único dia, segundo a polícia.

O valor confiscado pelo casal serviria para, segundo eles, pagar os custos da viagem que as jovens acreditavam ter ganhado gratuitamente.

Nos quartos, tudo era filmado por câmeras controladas pelo casal. Eles diziam as vítimas que mandariam as imagens a suas famílias "se elas não fizessem o que foram pedidas".

O nível de controle sobre os passos das brasileiras ia além.

As jovens receberam telefones celulares de trabalho, pelos quais recebiam por WhatsApp informações sobre horários de clientes e tinham seus movimentos monitorados por GPS.

Por algum tempo, elas foram obrigadas a irem acompanhadas até o curso de inglês - mas logo foram forçadas a abandonar as aulas.

Legislação

Segundo a lei britânica, a prostituição - ou a oferta de serviços sexuais em troca de dinheiro - é uma atividade legal. Por outro lado, a exploração da prostituição - por meio das figuras popularmente conhecidas como cafetões ou cafetinas - e a existência de bordéis ou prostíbulos é proibida em todo o território.

À reportagem, a polícia de Londres informou que "leva todos os relatos de escravidão contemporânea extremamente a sério e está empenhada em processar aqueles que se envolvem neste crime pernicioso".

A corporação também afirma que "encoraja qualquer pessoa que tenha sofrido com esse tipo de crime a denunciá-los" e que as denúncias serão "tratadas com sensibilidade" e "investigadas minuciosamente".

Mulher de pé ao lado de um carro
Segundo a lei britânica, a prostituição é uma atividade legal, as a exploração da prostituição é proibida em todo o território

Prisões

Em abril de 2020, mês seguinte à denúncia da brasileira, a polícia londrina cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços do casal e recolheu celulares, documentos, tabelas de preços e caixas de preservativos.

Milhares de libras em depósitos feitos em dinheiro foram identificados nas contas bancárias da dupla.

Foi depois destas buscas que os investigadores conseguiram identificar a vítima inglesa, uma mulher que acreditava ter sido identificada por agentes de modelos.

Após ganhar presentes e ter despesas pagas pelo casal, ela se viu forçada a "pagar a dívida" e obrigada a se prostituir.

"Edani e Stanley atraíram vítimas com falsas promessas para manipulá-las e explorá-las para ganhos financeiros pessoais. Eles não tinham absolutamente nenhum respeito pelas vítimas ou seu bem-estar, inclusive fazendo-as trabalhar longas horas por muito pouco em troca - mesmo quando elas não se sentiam bem", diz o detetive Brewster.

"A única coisa que importava para eles era quanto dinheiro poderiam ganhar."

Como se proteger

Segundo o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), mulheres e meninas respondem por 72% dos casos de tráficos de pessoas no mundo.

Nos casos envolvendo pessoas do sexo feminino, 83% são ligados a exploração sexual, 13% a trabalho forçado e 4% para outras finalidades.

Entre os homens, a proporção quase se inverte: 82% são traficados para trabalhos forçados, 10% com fins de exploração sexual, 1% para remoção de órgãos e 7% para outros objetivos.

O Conselho Nacional de Justiça dá seis recomendações para que as pessoas se protejam de golpes envolvendo tráfico humano.

A mais importante é duvidar de propostas de estudos ou trabalho "fácil e lucrativo".

Sempre que receber uma proposta, peça documentos oficiais, leia contratos e busque informações sobre os autores da oferta com auxílio jurídico.

Quando as propostas incluírem viagens nacionais e internacionais, a atenção a estes detalhes deve ser ainda maior.

O Conselho também recomenda que as pessoas mantenham seus documentos pessoais protegidos e evitem compartilhar cópias com conhecidos ou amigos.

Antes de viajar, compartilhe o endereço, telefone e localização na cidade para onde está viajando com pessoas de confiança e mantenha telefones e endereços de consulados, ONGs que trabalhem com brasileiros e autoridades da região de destino sempre à mão.

Além disso, é importante manter comunicação frequente com familiares e amigos. Se algo acontecer e a comunicação for interrompida, eles notarão que há algo estranho e tomarão providências.

Se você souber ou desconfiar de casos de tráfico de pessoas no Brasil, denuncie ligando para o número 100. No Reino Unido, suspeitas podem ser denunciadas à polícia ligando para o número 999.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos