Forças afegãs repelem ofensiva dos talibãs contra Kunduz

Forças de segurança afegãs em Kunduz

As forças de segurança afegãs anunciaram nesta terça-feira (19) ter repelido uma ofensiva dos talibãs contra Kunduz, cidade estratégica do norte do Afeganistão, que os insurgentes chegaram a controlar brevemente no passado.

"Por volta de 01h00 da manhã, os talibãs atacaram a cidade de Kunduz de várias direções", indicou o Ministério da Defesa afegão em comunicado.

"Os ataques foram repelidos e nossos postos de avanço restabelecidos", afirmou Hadi Jamal, porta-voz do exército afegão no norte do país.

Segundo o ministro da Defesa em coletiva de imprensa, Asadullah Khalid, oito soldados afegãos morreram nos combates, enquanto "o inimigo sofreu grandes baixas".

Fawad Awan, um porta-voz militar, informou que 40 insurgentes foram mortos e 50 feridos nos combates.

As forças afegãs e os talibãs costumam exagerar as perdas infligidas a seus inimigos.

Os corpos de três civis mortos e outros 55 feridos foram levados nesta terça-feira aos hospitais de Kunduz, afirmou o diretor de Saúde da província, Ehsanullah Afzali.

Um ataque aéreo também atingiu e danificou parcialmente uma clínica no distrito próximo a Chardara, mas não houve registros de vítimas, acrescentou.

Os talibãs não fizeram nenhum comentário até o momento.

Além disso, a explosão de uma bicicleta-bomba em um mercado da cidade matou dois civis e deixou 18 feridos, segundo a polícia da cidade.

Kunduz caiu brevemente nas mãos dos talibãs em 2015, mas os insurgentes foram expulsos da cidade graças ao apoio aéreo significativo dos Estados Unidos.

Durante a luta pela cidade em 2015, os ataques aéreos dos EUA destruíram um hospital de Médicos Sem Fronteiras em Kunduz, matando 42 pessoas.

Este novo ataque ocorre em meio ao regresso da violência no Afeganistão, apesar de um acordo alcançado no final de fevereiro entre os EUA e os talibãs, que prevê a saída de todas as tropas estrangeiras do país em meados de 2021.

Na segunda-feira, pelo menos sete pessoas morreram e dezenas ficaram feridas quando um carro-bomba explodiu na cidade de Ghazni, leste do Afeganistão, em um ataque reivindicado pelos talibãs.

Na terça-feira da semana passada, um ataque a um hospital de maternidade em Cabul deixou 24 mortos.

Os Estados Unidos atribuíram este ataque realizado por três combatentes armados, todos mortos, ao grupo radical Estado Islâmico, embora o ataque não tenha sido reivindicado.