Forças Armadas de Taiwan receberão US$619 mi em reforço de armas dos EUA

Militares da Força Aérea de Taiwan carregam missil de fabricação norte-americana durante treinamento de prontidão para o combate na base aérea de Hualien, em Taiwan

Por Ben Blanchard

TAIPÉ (Reuters) - Os Estados Unidos aprovaram a venda potencial de 619 milhões de dólares em novas armas para Taiwan, incluindo mísseis para sua frota de caças F-16, enquanto a ilha relatou um segundo dia de incursões em larga escala da Força Aérea chinesa nas proximidades.

As vendas de armas provavelmente azedarão ainda mais os laços já tensos entre Washington e Pequim, que repetidamente exige que tais acordos sejam interrompidos, vendo-os como apoio injustificado a Taiwan, ilha governada democraticamente que a China reivindica como parte de seu próprio território.

O Pentágono disse na quarta-feira que o Departamento de Estado dos EUA aprovou a potencial venda para Taiwan de armas e equipamentos que incluem 200 mísseis antiaéreos avançados de médio alcance ar-ar (AMRAAM) e 100 mísseis AGM-88B HARM.

"A venda proposta contribuirá para a capacidade do destinatário de prover a defesa de seu espaço aéreo, segurança regional e interoperabilidade com os Estados Unidos", afirmou em comunicado.

O Ministério da Defesa de Taiwan disse que os mísseis ajudarão a "defender efetivamente o espaço aéreo para lidar com ameaças e provocações dos militares comunistas" e reforçarão os estoques de defesa.

O Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que se opõe "firmemente" à venda planejada, acrescentando que os Estados Unidos devem interromper as vendas de armas e os contatos militares com Taiwan.

Nos últimos três anos, Taiwan tem reclamado do aumento das atividades militares chinesas perto da ilha, enquanto Pequim busca fazer valer suas reivindicações de soberania.