Forças russas se reforçam após revés na Ucrânia e Putin agradece Xi

Vladimir Putin no Uzbequistão

Por Max Hunder

KIEV (Reuters) - As forças russas no leste da Ucrânia estão fortalecendo suas defesas e será difícil para as tropas de Kiev repetirem o rápido sucesso de sua recente contraofensiva, alertou uma autoridade regional ucraniana nesta quinta-feira.

A avaliação foi emitida enquanto o presidente russo, Vladimir Putin, disse a Xi Jinping, seu colega chinês, em uma rara reunião presencial, que entende que Xi tenha dúvidas e preocupações sobre a situação na Ucrânia, mas saudou a "posição equilibrada" da China.

Milhares de quilômetros a oeste, Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, conversava em Kiev com o presidente Volodymyr Zelenskiy sobre como ajudar a Ucrânia a se aproximar da União Europeia.

O encontro de Putin com Xi, no Uzbequistão, foi o primeiro desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro. Desde então, a China tem seguido uma linha cuidadosa, criticando as sanções ocidentais à Rússia, mas evitando endossar ou ajudar a campanha de Moscou.

O porta-voz da Casa Branca John Kirby disse que a China deveria rejeitar a invasão da Rússia: "O mundo inteiro deveria se alinhar contra o que Putin está fazendo", declarou Kirby à CNN. "Este não é o momento para qualquer tipo de negócio como de costume com Putin."

O líder russo ainda não comentou publicamente sobre um grave revés sofrido por suas forças este mês no leste da Ucrânia. A inversão impressionante ocorreu na região de Kharkiv depois que as tropas ucranianas fizeram um rápido ataque blindado, forçando uma retirada russa apressada e caótica que deixou dezenas de tanques e outros veículos blindados abandonados às pressas.

Kiev diz ter recuperado mais de 8.000 quilômetros quadrados, quase equivalente ao tamanho da ilha de Chipre. A velocidade do avanço elevou o ânimo ucraniano, agradou os apoiadores ocidentais que forneceram armas, inteligência e treinamento, e aumentou as esperanças de mais ganhos significativos antes do inverno chegar.

Mas Serhiy Gaidai, governador da região de Luhansk, leste da Ucrânia, alertou que será uma luta difícil recuperar o controle de sua região das mãos da Rússia, que a reconhece como um estado independente controlado por separatistas.

Também não houve trégua nos ataques diários de mísseis da Rússia à Ucrânia, um dia depois de disparar mísseis de cruzeiro em uma represa perto de Kryvyi Rih, cidade natal do presidente Zelenskiy.

As forças russas lançaram ataques a vários assentamentos na linha de frente de Kharkiv nas últimas 24 horas, disse o Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia nesta quinta-feira.

Mas o Ministério da Defesa do Reino Unido afirmou em uma atualização que as forças da Ucrânia continuam consolidando seu controle de terras recém-libertadas na região.

((Tradução Redação São Paulo, +55 11 5047-3075)) REUTERS FC TR