Forças ucranianas se preparam para luta sangrenta por Kherson

Soldado ucraniano em trincheira na linha de frente próxima a Zaporizhzhia. REUTERS/Stringer

Por Jonathan Landay

LINHA DE FRENTE OESTE DE KHERSON, UCRÂNIA (Reuters) - Oleh, comandante de uma unidade de infantaria mecanizada ucraniana em trincheiras a oeste de Kherson, está confiante de que seus inimigos russos serão forçados a abandonar o porto estratégico até a chegada do clima de inverno, bloqueios logísticos e a ameaça de cerco.

Mas nem ele nem seus homens pensam que os russos irão sair rapidamente ou silenciosamente, e nem pretendem deixá-los.

Seus comentários levantam o espectro de uma luta sangrenta nas próximas semanas pelo controle de uma cidade-chave na margem oeste do rio Dnipro, que funciona como porta de entrada para a península da Crimeia, anexada pela Rússia em 2014.

"Eles continuarão lutando. Eles defenderão suas posições enquanto tiverem a capacidade de fazê-lo", disse Oleh, de 26 anos, um major experiente que subiu na hierarquia desde que se alistou na adolescência, há 10 anos. "Vai ser uma luta difícil."

Kirill Stremousov, vice-chefe do governo instalado pela Rússia na região de Kherson, disse na quinta-feira que espera que as forças russas lutem.

"Se deixarmos Kherson, será um grande golpe", acrescentou, em comentários transmitidos pela televisão russa RT.

A disputa pela única capital provincial tomada por Moscou na invasão em grande escala lançada em 24 de fevereiro pode ser uma das mais importantes da guerra até agora.

Para o presidente russo, Vladimir Putin, seria outro revés após uma série de perdas significativas no campo de batalha desde meados de agosto.

Com o controle da margem oeste do Dnipro, disseram especialistas militares, as forças ucranianas teriam um trampolim para tomar uma cabeça de ponte no lado leste para um avanço na Crimeia.

A Crimeia é o lar da frota russa do Mar Negro e Kiev fez da recuperação da península seu objetivo declarado.

Se Kherson cair na contra-ofensiva, acrescentaram os especialistas, também seria uma humilhação política para Putin, já que Kherson é uma das quatro regiões parcialmente ocupadas da Ucrânia que ele anunciou que faria parte da Rússia "para sempre" com grande alarde em 30 de setembro.

(Reportagem adicional de Phil Stewart e Steve Holland em Washington)