Fora do 'BBB21', Kerline diz que pandemia contribuiu para 'surtos' no reality: 'À flor da pele'

Extra
·2 minuto de leitura

Primeira eliminada do "Big Brother Brasil 21", Kerline acredita que o que explica a saída precoce da competição foi ter ido para o paredão na hora errada com as pessoas erradas.

"Porque eu caí no paredão errado, na hora errada, com as pessoas erradas, que na verdade são duas pessoas muito queridas. Isso foi bem difícil. O Rodolffo é um querido, a Sarah também. Tive momentos maravilhosos com ambos dentro da casa, eram pessoas leves, que me traziam tranquilidade, paz, diversão", disse.

Nem por isso a cearense acredita que teria feito algo de diferente durante o confinamento.

"Eu acredito muito que Deus tem um propósito para cada um. Se ele escolheu que para mim essa fosse a hora é porque tinha que ser. Se eu tivesse ficado no jogo eu já estaria escrevendo uma nova história. Com a única pessoa que eu tive um desentendimento lá dentro, o Lucas, eu conversei minutos antes da eliminação e selei uma paz. Eu queria estar bem com ele. Acho que a minha trajetória iria zerar se eu voltasse, começaria tudo de novo. Mas o que tinha que acontecer, aconteceu, e eu confio muito nos planos de Deus."

Mais serena, a digital influencer agora se diverte com os memes do seu choro.

"Eu não sabia que eu era desse jeito (risos)! Me descobri uma pessoa altamente sensível lá dentro. Eu amei os memes porque não foram memes ruins, e sim de emoção. E eu sou essa pessoa que tem muitas caras e bocas, tenho os meus trejeitos. Uma hora estou triste e cinco minutos depois estou rindo da minha própria tristeza... Eu vou tirar muita lição boa disso tudo."

E reflete que a pandemia contribuiu para deixar as emoções à flor da pele.

"A gente está em uma pandemia. No BBB, estávamos nos acostumando aos poucos a voltar a viver em comunidade, os nervos estavam muito à flor da pele. Por isso rolaram uns surtos, eu mesma tive vários que eu jamais imaginei que teria. Minha percepção de jogo, agora que eu saí, é de que, se cada um respeitasse pelo menos um pouquinho mais o espaço do outro, esse jogo teria um outro desfecho. Talvez um desfecho mais bonito. Seria um jogo mais limpo, um jogo jogado mesmo."