‘Fora de cogitação’; diz Lewandowski sobre assumir defesa no Governo Lula

Magistrado negou que tenha recebido proposta de Lula para chefiar pasta da Defesa - Foto: REUTERS/Adriano Machado
Magistrado negou que tenha recebido proposta de Lula para chefiar pasta da Defesa - Foto: REUTERS/Adriano Machado

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, disse nesta segunda-feira (14) que assumir o Ministério da Defesa no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está “fora de cogitação”.

A fala do magistrado foi feita durante o painel “Brasil e o respeito à liberdade e à democracia”, no evento Lide Brazil Conference, em Nova York, nos Estados Unidos.

O ministro que no próximo ano, completa 75 anos e precisa, obrigatoriamente, deixar o Supremo, disse que após sua aposentadoria, ele irá se dedicar aos seus três netos, os quais chamou de crianças “muito simpáticas”.

Além disso, Lewandowski, ele não foi convidado formalmente pelo novo governo eleito para integrar o ministério.

“Li essa notícia pelos jornais, a minha grande expectativa depois da minha aposentadoria é cuidar dos meus netos. Hipótese está fora de cogitação, não fui convidado”.

Os questionamentos da imprensa vieram à tona após sites noticiarem que ele estaria cotado para comandar a pasta. Lewandowski foi indicado ao STF por Lula em 2006.

No entanto, apesar de a hipótese de assumir a Defesa ter sido descartada, há outras opções, como a Embaixada do Brasil em Londres, onde tem família.

O magistrado, ainda durante o evento, foi questionado sobre a atuação das Forças Armadas durante as eleições.

Na ocasião, o ministro disse que elas deram a sua contribuição como qualquer outra entidade fiscalizadora do processo.

“Apresentaram o relatório e ponto final. Creio que não podemos subestimar essa atuação dos militares”, afirmou Lewandowski.