Fora do Santos, Holan engrossa lista de técnicos estrangeiros com vida curta no futebol brasileiro

O Globo
·1 minuto de leitura

Durou pouco a passagem do técnico Ariel Holan pelo Santos. Após a derrota por 2 a 0 para o Corinthians e demonstrações de irritação da torcida do Peixe, o argentino pediu demissão e aumentou a lista de treinadores estrangeiros que tiveram curtas passagens pelo futebol brasileiro. Ele ficou 12 jogos à frente do clube paulista.

Um dos casos mais recentes aconteceu justamente no clube da Vila Belmiro. O português Jesualdo Ferreira, contratado no fim da temporada 2019, não resistiu aos resultados ruins do início do trabalho e acabou demitido em sua 15ª partida.

Rafael Dudamel viveu episódio parecido em janeiro do ano passado, no Galo. Eliminado da Copa Sul-Americana e da Copa do Brasil, o venezuelano fez apenas 10 jogos no comando do Galo.

Três casos no Rio

No Rio de Janeiro, Flamengo, Vasco e Botafogo viveram episódios de passagens relâmpago de treinadores recentemente. O português Ricardo Sá Pinto, contratado para tentar livrar o cruz-maltino do rebaixamento na temporada passada, completou 15 jogos à frente do clube antes de ser demitido pelos maus resultados.

No rival Flamengo, o catalão Domenèc Torrent viveu uma relação de altos e baixos com a torcida rubro-negra e durou um pouco mais na Gávea. Foram 24 jogos à frente do Fla na temporada 2020, antes de ser demitido e dar lugar a Rogério Ceni.

Mas a passagem mais rápida em clubes cariocas foi a de Ramón Díaz no Botafogo. Internado para se recuperar de uma cirurgia feita pouco após seu anúncio no alvinegro, o técnico nem chegou a comandar a equipe em campo antes de ver sua comissão técnica ser desligada. A curta tarefa ficou a cargo do filho e auxiliar Emiliano Díaz, que fez apenas três jogos à frente da equipe.