Foragido, PM suspeito de participar da execução de Fernando Iggnácio é afastado da atividade operacional

Extra
·1 minuto de leitura

Apontado como um dos suspeitos de executar o contraventor Fernando Iggnácio, o cabo da Polícia Militar Rodrigo da Silva Neves foi afastado do trabalho nas ruas. De acordo com a PM, o agente que é considerado foragido vai prestar serviços administrativos na corporação enquanto responde a procedimento do Conselho de Revisão Disciplinar, que poderá resultar num Inquérito Policial Militar (IPM).

Em nota, a assessoria da PM informou que a Corregedoria Geral "vai acompanhar o inquérito instaurado pela Delegacia de Homicídios da Polícia Civil e prestará todo o apoio necessário para colaborar com os autos".

O Portal dos Procurados divulgou na quarta-feira o cartaz pedindo informações que possam ajudar a Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) a localizar Rodrigo da Silva Neves. Um mandado de prisão já foi expedido pela Justiça.

Herdeiro de Castor de Andrade, Iggnácio foi atingido por cinco tiros de fuzil quando caminhava sozinho para pegar um carro blindado no estacionamento de uma empresa de táxi aéreo na Zona Oeste do Rio. O crime ocorreu no dia 10 de novembro, por volta das 13h30, quando ele voltava de uma viagem à Angra dos Reis, na Costa Verde.

Com o auxílio de câmeras de vigilância, a DHC identificou o imóvel onde estavam as armas de grosso calibre e o veículo usado na fuga. Agentes foram ao local na noite de terça-feira e apreenderam quatro fuzis. Ao menos dois deles foram usados no dia do crime.

Quem tiver qualquer informação a respeito da localização do policial pode fazer contato através do WhatsApp Portal dos Procurados (21) 98849-6099, pelo telefone 2253-1177 ou pelas redes sociais do Disque Denúncia.