França acertou ao rejeitar novo lockdown nacional, diz ministro da Saúde

Dominique Vidalon
·1 minuto de leitura
Ministro da Saúde da França, Olivier Verán, fala com jornalstas depois de ser vacinado contra Covid-19 em Melun, nos arredores de Paris

Por Dominique Vidalon

PARIS (Reuters) - A situação da Covid-19 na França é estável no momento, e o governo acertou ao decidir contra a imposição de um novo lockdown nacional, disse o ministro da Saúde, Olivier Véran, nesta terça-feira.

Véran também disse à rádio France Info que "é possível, e de fato preferível" que o país não tenha que se submeter a um lockdown novamente.

"Durante três semanas, tivemos (em média) 20 mil casos novos por dia e 3.000-3.200 pacientes em unidades de tratamento intensivo. É estável, mas alto... isso não pede medidas de lockdown nacional", disse Véran.

O número de pessoas que morreram de infecções de Covid-19 na França subiu 458 na segunda-feira e chegou a 79.423 – a sétima maior quantidade de mortes do mundo.

Ao contrário de alguns de seus vizinhos, a França evitou impor um terceiro lockdown nacional, torcendo para que o toque de recolher em vigor desde 15 de dezembro e um programa de vacinação que já inoculou mais de 2 milhões de pessoas bastem para conter a disseminação da doença.

Véran disse acreditar que entre 3,5 milhões e 4 milhões de pessoas de todo o país terão recebido sua primeira dose de uma vacina contra Covid-19 até o final de fevereiro.

Algumas autoridades de saúde, porém, alertaram para o fardo imposto ao sistema hospitalar e para o impacto de variantes mais contagiosas do coronavírus.

Véran reiterou que a vacina da AstraZeneca é eficiente contra 99% das linhagens de Covid-19 na França, mas que o país está cogitando usar outras vacinas além daquela da AstraZeneca em territórios ultramarinos.