França comemora 400 anos de Molière, dramaturgo francês mais traduzido e interpretado no mundo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Molière
    French playwright and actor (1622–1673)

Poucas pessoas conhecem seu nome de batismo, Jean Baptiste Poquelin, mas seu nome artístico é mundialmente famoso. Molière simboliza o teatro francês e seu pseudônimo é usado para qualificar a língua francesa: a “língua de Molière”. Ele é o autor francófono mais traduzido, lido e interpretado em todo mundo. Em 2022, aniversário de seus 400 anos de nascimento, Molière será lembrado e celebrado em uma série de eventos durante todo o ano, na França, mas também em vários países.

Por Florian Riva e Patrice Martin

Os 400 anos de Moilère começam a ser celebrados a partir deste sábado, 15 de janeiro, data de batismo e provavelmente de nascimento do autor em 1622, em Paris. Apesar de passados quatro séculos, a glória nacional do dramaturgo francês permanece intacta.

As peças de teatro criadas por ele continuam atuais e relevantes pelo humor, sátira, gosto pela liberdade e rebelião que transmitem contra a tirania e hipocrisia dos poderosos, sejam eles pais, maridos, tartufos, ou “ridículas preciosas”. Molière escreveu cerca de 30 comédias em verso e prosa, entre elas “O Misantropo”, “O Burguês Fidalgo” e “O Avarento”, que se tornaram clássicos, assim como “Dom Quixote”, de Cervantes, e “Hamlet”, de Shakespeare.

Para abordar os traços principais da vida e obra do genial dramaturgo, a RFI entrevistou Martial Poirson, professor de História Cultural, roteirista, ensaísta e curador da exposição “Molière, la fabrique d’une gloire nationale” (“Molière, a fábrica de uma glória nacional”), que será exibida em Versalhes a partir de 15 de janeiro até 17 de abril.

O curador ressalta que Molière é a “síntese do espírito francês” e foi o único homem de teatro do século 17 que tinha uma tripla faceta.


Leia mais

Leia também:
Museu Carnavalet mergulha na relação de Proust com Paris para celebrar os 150 anos do escritor
Iniciativa para entronizar Rimbaud e Verlaine como casal homossexual no Panteão gera controvérsia na França
Correspondências trazem à tona relação tumultuada de autor de "O Pequeno Príncipe" com sua mulher

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos