França enrijece medidas de confinamento para seus cidadãos

(Arquivo) Torre Eiffel, em Paris

A França ordenou o fechamento de mercados ao ar livre nesta segunda-feira e limitou as saídas para os cidadãos fazerem exercícios físicos, com o objetivo de conter a propagação do coronavírus no país, que já causou 860 mortes no país.

A partir desta terça-feira, os mercados ao ar livre são proibidos em toda a França, exceto em "alguns municípios" onde são "o único meio de alimentação", disse o primeiro-ministro Edouard Philippe em entrevista à rede TF1.

Quanto às saídas para fazer exercícios físicos, que os franceses podem realizar nas ruas apesar do confinamento em vigor desde a última terça-feira, o primeiro-ministro indicou que eles poderão continuar fazendo isso "dentro de um raio de um quilômetro em torno da casa, durante um hora, sozinho e uma vez por dia.

"A multa para quem não cumprir as regras de confinamento, atualmente 135 euros, também será mais severa. Irá subir para 1.500 euros em caso de reincidência se as infrações forem cometidas em um período de 15 dias.

No caso de quatro infrações no mesmo mês, elas serão punidas com uma multa de até 3.700 euros e seis meses de prisão.

Essas novas restrições respondem ao chamado de um grande número de médicos na França que exigem medidas mais severas há vários dias para interromper o Covid-19, que continua avançando na França, com 186 mortes nas últimas 24 horas.

O primeiro-ministro também apontou que o confinamento quase total imposto na terça-feira passada em todo o país pode durar "mais algumas semanas", sem especificar quantas.

A Itália, o país mais casos e mortes mundo, prolongou e reforçou suas medidas de contenção. A Espanha, em estado de emergência, também prolongou o confinamento por mais 15 dias.

Na China, onde a epidemia apareceu, o isolamento da província de Wuhan terá durado cerca de 60 dias.

No momento, Philippe se recusou a impor um toque de recolher geral ao país, como países como Chile ou Arábia Saudita já fizeram, mas apontou que em algumas partes do território "pode acontecer que precisemos tomar medidas mais rígidas de contenção".

A França, o terceiro país europeu mais afetado pelo coronavírus, depois da Itália e da Espanha, soma 860 mortes e mais de 2.000 infecções.

Esse balanço, no entanto, leva apenas em consideração os pacientes mortos nos hospitais, e não aqueles que morreram em casas de idosos ou em suas casas.