França frustrou dois atentados islamistas em 2020

·1 minuto de leitura
Homenagem ao professor assassinado Samuel Paty na fachada da ópera de Montpellier (França), em 21 de outubro de 2020

Dois "ataques terroristas islâmicos sunitas" foram frustrados na França em 2020, e 33, desde 2017 - afirmou o coordenador nacional de Inteligência e da luta contra o terrorismo, Laurent Nuñez, neste domingo (3).

Em um programa com vários meios de comunicação franceses, Laurent Nuñez não deu qualquer indicação sobre a natureza dessas duas tentativas de ataque.

Nuñez disse que o "terrorismo islamista sunita" é "uma ameaça prioritária", que é "endógena" (de origem interna) e "cada vez mais difícil de detectar".

"A passagem para o ato se faz de maneira muito rápida", completou, citando o assassinato do professor Samuel Paty, em outubro passado, nos arredores de Paris.

Laurent Nuñez destacou "um ponto comum" entre os três últimos atentados atribuídos a este movimento (contra a antiga sede do semanário satírico Charlie Hebdo, contra o professor Paty e em uma basílica de Nice, no sudeste da França): "a blasfêmia, a vontade de vingar o profeta" Maomé.

A ameaça exógena (procedente do exterior) é "menos provável", embora os serviços franceses "permaneçam extremamente vigilantes" a este respeito, acrescentou.

sm/pga/stb/bc/pc/tt