França registra forte aumento de suicídio de meninas durante a pandemia de Covid-19

·1 min de leitura

O jornal Libération desta terça-feira (11) trata de um assunto que vem preocupando pais, educadores e especialistas no país: o suicídio de adolescentes. Uma reportagem especial realizada pelo diário mostra uma forte progressão deste problema entre jovens, principalmente do sexo feminino, com um aumento de mais de 40% nos últimos dois anos.

Libération explica que 2020 e 2021 foram marcados por uma alta de suicídios e tentativas de suicídio de jovens que muitos especialistas atribuem aos efeitos dos lockdowns e da crise sanitária, em geral. No entanto, a amplificação deste fenômeno entre garotas com menos de 15 anos é classificado como "nova" e "preocupante".

No hospital psiquiátrico Le Vinatier de Lyon, centro-leste da França, as hospitalizações por tentativa de suicídio deram um salto tão grande nos últimos tempos que a direção do estabelecimento precisou revisar seus dispositivos de acolhimento de emergência. O chefe do serviço de pedopsiquiatria do local, Nicolas Georgieff, afirma em entrevista ao Libération que jamais o setor havia sido tão solicitado.

A prática também vem se tornando mais violenta entre as meninas, com um aumento de gestos de agressão física contra si mesmas, dizem os especialistas entrevistados pelo jornal. Como o fenômeno ainda é novo, os médicos são cautelosos ao apontar os motivos destas práticas.

Meninas são mais abaladas pela pandemia


Leia mais

Leia também:
França: Suicídio de jovem trans levanta debate sobre despreparo de escolas
Região da Bretanha é recordista de suicídios na França
Jovem francesa comete suicídio ao vivo no aplicativo Periscope

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos