França vai fornecer canhões e mًísseis antitanques à Ucrânia

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O governo francês vai enviar armamento pesado à Ucrânia para ajudar o país a se defender da invasão russa. Os equipamentos militares incluem canhões Caesar e mísseis antitanques Milan. O anúncio foi feito pelo presidente Emmanuel Macron, em entrevista ao jornal Ouest-France, publicada nesta sexta-feira (22).

O Caesar é o carro-chefe da artilharia francesa e é único dentro das forças da Otan. O equipamento de artilharia, de 155 mm e alcance de 40 quilômetros, fica posicionada em um caminhão. O armamento foi usado com bons resultados no Afeganistão ou, em 2017, na reconquista de Mossul, no Iraque.

Cinco homens são suficientes para manobrar esse tipo de canhão. Ao identificar um alvo, basta o militar escanear a posição com um ponteiro a laser para transmitir automaticamente as suas coordenadas. Não há mais nada a ser feito. Um canhão Caesar pode disparar seis tiros por minuto e recomeçar a atirar, novamente, para escapar dos tiros de uma contrabateria.

Sem detalhes sobre o número de armas entregues

Até agora, Paris teve o cuidado de não especificar os tipos de armamentos entregues a Kiev. Em meados de abril, foram anunciados "€ 100 milhões em doações de equipamentos" e o fornecimento de "capacidades militares adicionais".

“Entregamos equipamentos substanciais, entre eles armamento do tipo Milan e Caesar, e vários outros modelos”, disse o presidente Emmanuel Macron ao Ouest-France, que lhe perguntou sobre o fornecimento de armas pesadas por parte da Europa à Ucrânia.

“Acho que temos de continuar nesse caminho. Sempre tendo uma linha vermelha que é de não entrar em cobeligerância”, acrescentou Macron.

Com informações da AFP


Leia mais

Leia também:
Moscou admite querer controlar todo o sul e leste da Ucrânia; ONU vê “possíveis crimes de guerra"
Alemanha recusa envio de armas pesadas à Ucrânia e é alvo de críticas de Kiev
Voluntários chegam de todo o país e até do Brasil para combater ataque russo no leste da Ucrânia

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos