França vive "preocupante epidemia de cocaína", alerta jornal

O jornal Le Parisien desta terça-feira (3) traz uma reportagem especial sobre o aumento do consumo de cocaína na França em todas as classes sociais. A situação preocupa a comunidade médica do país, que observa o crescimento de viciados nesta droga, inclusive adolescentes.

Vinda da América do Sul, o preço da cocaína vem baixando ao longos dos últimos dez anos e conquistando novos adeptos, diz o jornal Le Parisien. A cada semana, a polícia francesa prende traficantes nos aeroportos e estações de trem de Paris. Apenas em 2021, duas toneladas da droga chegaram por via aérea no ano passado à capital francesa, 20 toneladas em toda a França.

Segundo a reportagem, depois da maconha, a cocaína é a droga mais consumida pelos franceses, utilizada regularmente por mais de 2 milhões de pessoas, "até mesmo por esportistas de alto nível". Em vinte anos, o número de usuários foi multiplicado por quatro, ressalta a matéria.

Entre a população em geral, a motivação varia entre o uso recreativo, "para fazer festa", diz um consumidor da droga ao Le Parisien, ou para aguentar o ritmo de trabalho, afirma uma diretora de empresa usuária de cocaína.

O diário destaca que se nos anos 1980 a cocaína era reservada à elite, atualmente ela se populariza em todos os meios sociais. A substância é vendida por traficantes em bocas na periferia da capital francesa ou entregue diretamente em casa, após pedidos feitos por grupos no Telegram, que aceitam até pagamento em bitcoin.

Traficantes de cocaína apostam em adolescentes


Leia mais

Leia também:
“Tsunami de pó branco”: França apreende mais de 20 toneladas de cocaína em 2021
Começa julgamento de estivadores franceses que traziam cocaína de Santos para Paris
França muda de estratégia de combate às drogas e visa líderes do narcotráfico

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos