Franceses comparecem às urnas para municipais sob a ameaça do coronavírus

Por María Elena BUCHELI
Material de votação no município de Quimper

Os franceses comparecem às urnas neste domingo para eleições municipais, uma votação que acontece em um cenário inédito e em meio a medidas extraordinárias para conter a propagação do coronavírus, que ameaça disparar o índice de abstenção.

Apesar do fechamento de centros de ensino, restaurantes e estabelecimentos comerciais não indispensáveis, a França decidiu, contra todos os prognósticos, manter as eleições municipais para "assegurar a continuidade da vida democrática e das instituições".

"Não há nada que impeça os franceses, inclusive os mais vulneráveis, de comparecer às urnas", declarou na quinta-feira o presidente do país, Emmanuel Macron, que afirmou ter consultado cientistas sobre o tema.

As autoridades do país, um dos principais focos europeus do coronavírus, com 4.500 infectados e 91 mortes, adotaram uma série de normas para as eleições.

Antes de entrar no local de votação, os eleitores devem higienizar as mãos. Todos os cidadãos receberam a recomendação de levar a própria caneta até a cabine.

Os eleitores devem manter uma distância de segurança de um metro entre eles durante cada etapa do voto. Os mesários receberam álcool gel e luvas para sua proteção.

Mas não é possível saber se estas medidas serão suficientes para convencer os quase 48 milhões de eleitores a sair de casa.

Em períodos normais, as eleições municipais atraem cada vez menos franceses (63,5% de participação em 2014). Uma pesquisa mostrou que um terço da população considerava um "risco elevado" votar neste domingo.

O imunologista Jean-Francois Delfraissy, presidente do Conselho Científico sobre o coronavírus na França, insistiu que o risco de votar não é maior que o de "fazer compras".

Para analistas consultados pela AFP, a abstenção pelo coronavírus afetará sobretudo o eleitorado de direita, o que pode afetar a votação dos partidos de direita.

A incerteza é ainda maior para o segundo turno, previsto para o próximo domingo (22), sobretudo quando se leva em consideração a rápida propagação da epidemia no país, onde número de casos dobrou nas últimas 72 horas.

- Derrota para Macron? -

No plano político, os resultados dos candidatos do partido do presidente Macron, A República Em Marcha (LREM), que não existia nas municipais em 2014, serão observados com lupa.

Após dois meses de manifestações e greves nos transportes, a crise dos "coletes amarelos" e o escândalo sexual que obrigou o candidato de Macron, Benjamin Griveaux, a desistir da disputa pela prefeitura de Paris, as previsões não são boas para o partido presidencial.

Na capital, a ex-ministra da Saúde Agnès Buzyn, que substituiu no último minuto Griveaux, aparece em terceiro lugar nas pesquisas, atrás da ex-ministra da Justiça de Nicolas Sarkozy, a conservadora Rachida Dati, e da atual prefeita de Paris, a socialista Anne Hidalgo, empatadas na liderança.

Em Marselha, segunda maior cidade da França, o macronista Yvon Berland não supera 10% das intenções de voto. Até mesmo o primeiro-ministro Edouard Philippe, candidato à prefeitura de Le Havre, seu reduto eleitoral, não tem a vitória assegurada, o que colocaria em risco seu cargo como chefe de Governo.