Europa encurralada, protestos na Itália, vacina russa e Maradona confinado pela covid-19

María Isabel Sánchez com as redações da AFP no mundo
·4 minuto de leitura
Garçom se prepara para fechar bar-restaurante na Piazza Navona de Roma em 26 de outubro de 2020
Garçom se prepara para fechar bar-restaurante na Piazza Navona de Roma em 26 de outubro de 2020

A Europa, encurralada por uma segunda onda brutal de coronavírus, lança novas medidas para tentar conter uma pandemia que ja deixou mais de 1,16 milhão de mortos e 43,7 milhões de infectados no mundo, de acordo com o último balanço da AFP feito a partir de fontes oficiais. 

A União Europeia anunciou nesta terça-feira (27) a transferência de empréstimos milionários à Itália, Espanha e Polônia frente ao aumento do desemprego provocado pela covid-19, como parte do programa Sure, que conta com um fundo de 100 bilhões de euros. 

Na Espanha - onde foi decretado estado de emergência sanitária e as medidas foram reforçadas - os médicos da rede pública, exaustos após mais de seis meses de pandemia, iniciaram uma greve nacional nesta terça-feira, a primeira em 25 anos, para exigir um maior reconhecimento do seu trabalho. 

À AFP, a Confederação Estadual de Sindicatos Médicos informou que 85% dos profissionais participam da greve, porém a maioria o faz de forma simbólica, para manter o serviço essencial.

- Decisões difíceis -

Na Itália, as novas medidas foram mal recebidas, com manifestações em Roma e outras cidades que, desde o fim de semana, rejeitam o fechamento de bares e restaurantes a partir das 18h00, além de todos os teatros, cinemas e academias por um mês. 

Em Milão e Turim (norte), os protestos desta segunda-feira terminaram em confrontos entre a polícia e manifestantes, atos de vandalismo contra bondes e vitrines quebradas, além do uso de coquetéis molotov e gás lacrimogêneo.

Na França, onde a situação é crítica, o governo planeja estender o toque de recolher noturno - que já afeta 46 milhões de pessoas - e impor um confinamento domiciliar nos fins de semana ou nas áreas mais afetadas pela doença, como Paris. 

"Devemos nos preparar para decisões difíceis", informou o ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, nesta terça-feira. 

A Europa realizará uma cúpula daqui a dois dias para tratar da pandemia. O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, afirmou: "Precisamos de uma ação decisiva, necessariamente de alcance europeu, firmada em dois pilares: testes e rastreio, além das vacinas".

- A vacina russa -

A Rússia, por sua vez, anunciou que foi "a primeira" a solicitar à Organização Mundial da Saúde (OMS) a "pré-qualificação de sua vacina contra o novo coronavírus".

Na América Latina, onde o coronavírus continua fortemente ativo, a situação se complica em vários países, como a Argentina, que vive uma crise de grandes proporções, enquanto a luta pela legalização do aborto é retomada. 

Na capital do Peru, Lima, quadros gigantes foram instalados em duas áreas da cidade, onde qualquer pessoa pode escrever o que quiser a partir do título: "Quando terminar...". "Quero deixar de usar máscara", "Abraçar os meus pais", "Praias liberadas, boates e shows", dizem algumas das 5.000 mensagens escritas até agora.

- Dia de finados - 

O Dia de Finados, muito importante no México e em outros países da região, aproxima-se. O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, anunciou que a data servirá para homenagear os 90 mil mortos pela covid-19.

Há "muita tristeza na família, amigos. Por isso, vou propor um decreto para que dediquemos três dias de luto nacional por ocasião do Dia de Finados", de 31 de outubro a 2 de novembro, ressaltou o presidente. 

Todos os anos, o México homenageia de forma colorida seus mortos, com comida e imagens de caveiras e crânios. Desta vez, muitos cemitérios mexicanos foram fechados ao público. 

O Equador também anunciou o fechamento da maioria dos seus cemitérios. "Há cemitérios em cidades como Quito e Guayaquil que recebem no Dia de Finados entre 60.000 e 200.000 pessoas. Imagine o alto risco potencial (de contágio) que teríamos", explicou Juan Zapata, diretor do Serviço Integrado de Segurança, ECU911.

- Personagens ilustres -

Várias celebridades tiveram que se isolar antes da contaminação ou suspeita de contaminação por covid-19. Três dias depois do seu 60º aniversário, o ex-astro do futebol argentino e atual técnico do Gimnasia Esgrima La Plata, Diego Maradona, está isolado, após apresentar sintomas de covid-19, segundo a imprensa local. 

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, testou positivo para a covid-19, assim como a prefeita da Cidade do México, Claudia Sheinbaum, que anunciou não apresentar sintomas. 

O presidente da Argélia, Abdelmadjid Tebboune - que estava em quarentena desde sábado, após um possível contágio em seu entorno - deu entrada no hospital, embora "sua saúde não gere preocupação", informou o governo. 

O Fórum Internacional de Transporte (FIT) declarou em seu relatório anual que o confinamento gerado pela pandemia diminuiu o tráfego rodoviário, o que salvou vidas. "O número de acidentes foi drasticamente reduzido nos primeiros meses de 2020, devido, em parte, ao confinamento imposto em muitos países para conter a pandemia", ressaltou o FIT, que pertence à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

burx-mis-yow/lda/bn/lb