Franceses terminam o ano sem fogos de artifício e fazendo filas para teste anticovid

·1 min de leitura

Como no resto do mundo, a França se prepara para o segundo Réveillon consecutivo marcado por restrições sanitárias ligadas à pandemia de Covid-19. O uso de máscaras voltou a ser obrigatório em grandes centros e os fogos de artifício foram proibidos. Com o avanço da variante ômicron, muito mais contagiosa e que já se tornou prevalente no território francês, o país também assiste a um recorde de testes anticovid, com filas nas farmácias e laboratórios.

A prefeitura de Paris já havia anunciado na semana passada o cancelamento de todas as festividades, inclusive a tradicional queima de fogos de artifício, que reúne milhares de pessoas na avenida Champs-Elysées. Mas nos últimos dias, diante da evolução da pandemia, com o país registrando, pelo segundo dia consecutivo, mas de 200 mil novos casos diários, outras medidas restritivas foram tomadas para esta virada.

Os bares de Paris terão que fechar as portas às 2h e, a partir desta sexta-feira (31), o uso de máscaras passou a ser obrigatório em ambientes externos para os maiores de 11 anos. As boates, fechadas desde 10 de dezembro, continuarão assim pelo menos nas primeiras três semanas de janeiro.


Leia mais

Leia também:
Covid-19: França impõe trabalho remoto e multa de mais de R$ 300 mil a empresa que não cumprir
90% da UTI de Covid no Reino Unido é de pessoas sem dose de reforço; França ultrapassa 200 mil casos em 24h
Teatros parisienses fazem "malabarismos" para driblar casos de Covid nos elencos

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos