Francia Márquez, primeira vice negra da Colômbia, pede 'reconciliação' após eleições

A ambientalista Francia Márquez, primeira afro-descendente a chegar à vice-presidência da Colômbia como companheira de chapa do esquerdista Gustavo Petro, apelou à "reconciliação" após o segundo turno deste domingo (19).

"O grande desafio que todos os colombianos temos é a reconciliação (...) Em meio às diferenças, podemos construir uma nação que olha para frente, uma nação próspera", disse Márquez, de 40 anos, em entrevista à Rádio Caracol.

Ela chefiará, ao lado de Petro, o primeiro governo de esquerda da História de um país governado até agora por elites liberais e conservadoras.

A dupla derrotou com 50,5% dos votos a chapa do empreiteiro milionário e outsider Rodolfo Hernández e Marelen Castillo - também de origem afro -, que obteve 47,3%.

Dez por cento da população colombiana se identifica como afro-descendente.

"Esperamos juntos construir um país de paz, um país com dignidade, um país com oportunidades, com justiça", disse a ativista a seus adversários, que chegaram à campanha relativamente como desconhecidos e derrotaram os partidos tradicionais no primeiro turno.

Na reta final, a campanha se tornou suja, com vazamentos e golpes baixo de ambos os lados.

Agora, Petro e Márquez vão comandar um país polarizado e com reservas frente às ambiciosas transformações que propõem à esquerda, entre elas cessar a exploração de petróleo diante da crise climática e aumentar os impostos dos riscos para fortalecer o Estado.

"Que a diferença não seja uma razão para que continuar violentando-nos, para continuar assassinando-nos", disse Márquez, que em 2019 foi alvo de um atentado com rajadas de fuzil em seu departamento natal do Cauca (sudoeste), onde grupos armados disputam as rédeas do narcotráfico e do garimpo ilegal, apesar do desarmamento da guerrilha das Farc, em 2017.

"Chegou o momento de construir a paz, uma paz que implica justiça social", disse Márquez.

"Eu me vejo governando este país dos locais mais esquecidos (...) Das periferias", antecipou, acrescentando que Petro a encarregou de liderar um novo "ministério da igualdade", que cuidará dos direitos das mulheres, da juventude, dos povos étnicos e da população LGBTIQ+.

jss/lv/yow/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos