Francisco, el Hombre pede a cabeça de Bolsonaro em show no Rock in Rio Lisboa

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

LISBOA, PORTUGAL (FOLHAPRESS) - A banda paulista Francisco, el Hombre foi a primeira representante brasileira a subir ao palco no segundo fim de semana de shows do Rock in Rio Lisboa, neste sábado (25).

A apresentação no palco Rock Your Street começou debaixo do sol das 15h30, no horário local, com a música "Loucura", para um público pequeno, mas engajado, que foi aumentando ao longo do show —assim como as manifestações políticas vindas da banda.

Logo antes da segunda música, "Calor da Rua", começar, Sebástian, um dos vocalistas e fundadores, pediu para o público levantar o punho fechado para o alto em "respeito a toda força antifascista brasileira".

As menções ao presidente Jair Bolsonaro e às eleições presidenciais deste ano apareceram novamente quando o grupo cantou "Bolso Nada", música lançada em 2016 com participação da cantora Liniker, cujo refrão é "esse cara escroto / muito escroto" e que chama Bolsonaro de fascista.

Na plateia, brasileiros com camisetas anti-Bolsonaro e estampadas com os rostos de Lula e Marielle Franco, alguns segurando também bandeiras LGBTQIA+, acompanharam com gritos também a ainda não lançada "Arranca a Cabeça do Rei", dedicada pela banda a "quem vai, a partir do dedo, do voto, arrancar a cabeça do rei".

Na música, que cita o combate entre Davi e Golias, o grupo canta que "só tem um jeito de tudo mudar, todo mundo junto presidente derrubar".

*

A repórter viajou a convite do Rock in Rio Lisboa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos