Franco afirma que não houve 'nem incompetência e nem ineficiência' na negociação com a Pfizer

·1 minuto de leitura
**ARQUIVO** BRASÍLIA, DF, 24-08-2020: O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, durante cerimônia no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
**ARQUIVO** BRASÍLIA, DF, 24-08-2020: O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, durante cerimônia no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-secretário-executivo Élcio Franco negou que tivesse havido 'incompetência e ineficiência' do Ministério da Saúde durante a negociação para a compra da vacina da Pfizer. As expressões foram usadas em entrevista pelo ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten

"Deve ter sido a percepção dele [Wajngarten], mas não foi isso que aconteceu", afirmou, em depoimento à CPI da Covid.

Franco afirmou que nunca houve interrupção nas negociações da Pfizer e negou que o Ministério da Saúde não tivesse enviado respostas para a Pfizer. A Folha mostrou que 10 emails da Pfizer em um intervalo de um mês ficaram sem respostas e que a contraproposta só veio em dezembro.

"Carlos Murillo [presidente da Pfizer] tinha meu telefone e poderia ter comunidade se houvesse algum gap nas negociações", afirmou.

"Havia videoconferência, contato telefônico, emails de resposta". completou. Franco apenas afirmou que, entre 5 e 12 de novembro, houve um problema de comunicação após vírus afetar a rede de comunicação da Saúde.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos