Freira campeã do 'The voice' Itália deixa vida religiosa para virar cantora e trabalha como garçonete

A freira italiana Cristina Scuccia, que emocionou os jurados do "The Voice Itália" em 2014 e ganhou o programa, anunciou, neste domingo, que deixou a vida religiosa para tentar a carreira de cantora. Depois de experimentar a fama, Cristina atualmente trabalha como garçonete na Espanha.

Na época do programa, Cristina estava entre as freiras do convento das Irmãs Ursulinas da Sagrada Família, em Milão, e venceu com sua performance de What a Feeling, música-tema do filme Flashdance (1983). Nas audições às cegas, ela cantou “No One”, da Alicia Keys. “Não consegui falar por vários minutos”, disse a jurada Raffaella Carrà, depois de descobrir que a voz pertencia a uma freira.

Mais tarde, elogiada por cardeais italianos, ela chegou a produzir um álbum e entregá-lo ao Papa Francisco.

Agora, oito anos depois, Cristina decidiu largar oficialmente o hábito para tentar seguir a carreira de cantora. De salto alto e terno vermelho, piercing no nariz e longos cabelos escuros, ela disse em um talk-show:

— Acredito que é preciso ouvir o coração com coragem. A mudança é sinal de evolução, mas é sempre assustadora porque é mais fácil se ancorar nas próprias certezas do que se questionar. Existe certo ou errado?

Cristina fez questão de pontuar que ter deixado a vida de freira não significa que ela tenha renunciado à sua fé.

— Escolhi seguir meu coração sem pensar no que as pessoas diriam sobre mim — acrescentou.

Questionada sobre a decisão de participar do programa em 2014 sendo uma freira e se haveria um possível “conflito” entre música e religião, Cristina contou que tudo foi de comum acordo com as outras freiras e que o fato de ter realizado seu noviciado no Brasil a ajudou a ter uma outra visão sobre isso.

— Nunca vi o conflito entre essas duas realidades porque fiz meu noviciado no Brasil e ver freiras, padres e religiosos cantando no palco lá é muito natural. O Brasil purificou um pouco essa paixão em mim, tornou-se esse presente que eu tenho para dar. Ainda acredito no poder da música para transmitir mensagens importantes como esta — disse.