Frente ampla ganha força, mas ficará restrita a cenário nacional, avalia PT

**Arquivo**BRASÍLIA, DF,  BRASIL  09-01-2023 Palácio do Planalto destruído após invasão de terroristas     (Foto: Gabriela Biló /Folhapress)
**Arquivo**BRASÍLIA, DF, BRASIL 09-01-2023 Palácio do Planalto destruído após invasão de terroristas (Foto: Gabriela Biló /Folhapress)

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - Deputados federais e dirigentes do PT avaliam que os atos violentos e golpistas de bolsonaristas trazem a frente ampla de volta para ordem do dia e deixam a bancada petista com menos força para barrar possíveis composições com adversários.

A avaliação é que Lula terá um desafio ainda maior para reunificar o país. Por isso, a palavra de ordem, dizem, é ampliar a base e trazer para perto aqueles que queiram contribuir com o governo.

A política de boa vizinhança, contudo, deve ficar restrita ao plano nacional. Dirigentes do PT e da União Brasil da Bahia, por exemplo, nem querem ouvir em aliança. Os dois partidos polarizaram as disputas estaduais desde 1998.

Dividindo o mesmo espaço na solenidade da Lavagem do Bonfim nesta quinta-feira (12), o governador Jerônimo Rodrigues (PT) e o prefeito Bruno Reis (União Brasil) se mantiveram distantes e pouco interagiram.

Reis delimitou a relação com governador e presidente ao campo administrativo: "O apoio do partido [a Lula] facilita o diálogo. Mas é evidente que nossa posição na Bahia é contrária ao PT".

Jerônimo diz que quer pactuar projetos a oposição e que bolsonaristas radicais são sua linha de corte para o diálogo: "Nós vamos pegar pesado no que for necessário para que o Brasil e Bahia se livrem disso [bolsonarismo]. Não cabe mais no meio da gente".