Fresno se apresenta duas vezes no Rock in Rio e prova que música emo nunca morreu

Lucas Silveira da banda Fresno se apresentando no festival Lollapalooza no Autódromo de Interlagos Racetrack em 27 março de 2022 em São Paulo, Brasil. (Foto: Mauricio Santana/Getty Images)
Lucas Silveira da banda Fresno se apresentando no festival Lollapalooza no Autódromo de Interlagos Racetrack em 27 março de 2022 em São Paulo, Brasil. (Foto: Mauricio Santana/Getty Images)

A banda Fresno realizou nesta sexta-feira (9) a primeira das duas apresentações que fará na Arena Itaú montada no Rock in Rio 2022. No dia do pop-punk, que terá shows de Fall Out Boy, Avril Lavigne e Green Day, os músicos destacam que mesmo que a música emo esteja voltando aos holofotes só agora, eles continuaram lançando novos projetos nos últimos anos.

“É muito legal esse resgate. É uma corroboração de tudo que aconteceu na primeira década deste século, todas aquelas bandas que a galera escutava, iniciando pelo Fresno, bandas internacionais, bandas nacionais”, disse o guitarrista Gustavo Mantovani em entrevista ao Yahoo, logo após se apresentarem na Arena Itaú.

"Dez, 15 anos depois, a galera ainda gosta dessas bandas. No nosso caso, específico da Fresno, com vários discos novos, materiais novos e a galera vem para cantar as músicas novas. Não ficam tão presas ao material antigo, que é uma coisa que permaneceu no fundo e teve esse regaste no momento”, acrescentou o guitarrista.

Uma prova disso, é que mesmo que a banda de 23 anos esteja se apresentando no Rock in Rio, um festival com público diverso, eles contam com uma multidão cantando todas as faixas do repertório, sejam elas novas ou antigas. “Tem sido uma experiência absurda", comemorou.

Thiago Guerra, baterista do trio, acrescenta que foi fundamental que eles tenham continuado “lançando trabalhos novos e muito bem falados em um momento de revival”: “A gente continuou seguindo e se encontrou com esse momento maravilhoso".

O vocalista, Lucas, também notou que uma parcela do público, que parou de frequentar os shows de música emo, voltou a acompanhar e comparecer aos shows da Fresno nos últimos tempos. O público se deparou com “uma banda que continuou existindo, continuou evoluindo”, por conta disso, o show reúne esses dois públicos, mas o cantor garante: “Está sendo top de linha”.