Frio e calculista, diz delegado sobre assassino confesso de Rayane

Reprodução/Facebook

O delegado Rubens José Ângelo descreveu o segurança Michel Flor da Silva, de 28 anos, como uma pessoa fria, calculista e sem arrependimento.

O segurança foi preso na terça-feira (30) pelo assassinato de Rayane Paulino Alves, de 16 anos. Praticante de capoeira, o homem diz ter desacordado a adolescente com um mata-leão.

Rayane desapareceu no dia 21 de outubro, depois de sair de uma rave em um sítio em SP. Após oito dias de intensas buscas, o corpo dela foi encontrado em uma área de mata já em estado avançado de decomposição em Guararema (SP).

Silva confessou que matou a jovem depois de ter oferecido uma carona para ela. Na opinião da polícia houve estupro, mas ele alega que a relação sexual foi consensual e que depois a adolescente “surtou”.

Uma caneta que estava no local onde o corpo de Rayane foi encontrado ajudou a comprovar que Silva era o assassino da jovem.

Após dar um golpe que deixou a jovem desacordada, o homem teria usado um cadarço para asfixiá-la.