Fuga da Rússia: "É este o preço a pagar por se dizer a verdade"

Desde que a Rússia começou a invadir a Ucrânia, centenas de jornalistas e ativistas russos saíram do país e procuraram asilo no resto da Europa.

Foi o caso de Anastasia Sergeeva, ativista russa que vive agora na Polónia.

Anastasia acusa Putin de uma propaganda irreal, em que passa a mensagem de que os europeus odeiam o povo russo e isso está a fazer com que os cidadãos russos que sabem do que se passa na Ucrânia "comecem a perder a esperança" de que algo possa ser feito, diz a ativista.

"A propaganda usa muito ativamente a mensagem/informação de que fora da Rússia, ninguém gosta de russos", conta à Euronews Anastasia Sergeeva, da For a Free Russia Association.

Mesmo assim, de acordo com esta associação, são cada vez mais os russos a pedir ajuda para fugirem do país. Pedidos que começaram em 2014. Anastasia conta que nos últimos meses os pedidos dispararam não só de cidadãos russos a viver na Rússia mas também de russos que viviam na Ucrânia.

"É este o preço a pagar por se dizer a verdade. Por se chamar guerra à guerra."

Alina e Andrei são casados e ambos jornalistas. Viviam no Kazan. Estão agora a viver em Varsóvia, Polónia, depois de fugirem pela Geórgia e pela Turquia. Fugiram por não se sentirem seguros.

"Com a nova legislação russa, eles podiam prender-nos, podiam revistar-nos a qualquer momento", conta Andrei Grigorev, jornalista na Radio Liberty. "Agora percebemos que devemos chamar de guerra à guerra e percebemos que ficar na Rússia e trabalhar na comunicação social é perigoso, está sob a lei criminal.", diz.

Alina conta que o ar na Rússia "ficou pesado, impossível de respirar". Diz que os colegas de profissão "estão em todo o lado", em países como a Geórgia ou a Turquia.

Os jornalistas correm o risco de enfrentar até 15 anos de prisão. "É este o preço a pagar por se dizer a verdade. Por se chamar guerra à guerra.", diz Andrei.

Embora a situação no país permaneça tensa, os últimos estudos dizem que os russos estão a sair da Rússia também pela mudança que a economia está a enfrentar com as sanções vindas de quase todo o mundo.

Kacper Wanczyk, da Universidade de Varsóvia que "alguns russos estão mais preocupados com a situação económica" e que a saída por oposição ao governo é apenas "parte da razão".

O número exato de russos que deixaram o país desde 24 de fevereiro é desconhecido - Mas os especialistas estimam que tenham saído entre 300 mil a 1 milhão de pessoas. A Polónia, que era um destino popular para a oposição bielorrussa, é agora também para os russos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos