Fugindo da guerra na Síria, Muna achou no Brasil o amor que precisava para sua família

Me chamo Muna Darweesh, tenho 36 anos e fugi da Síria por causa da guerra civil, que começou em 2011. A situação foi ficando difícil para a gente. Em 2013, fui para o Egito com meu marido e meus quatro filhos. Algumas coisas consegui vender, mas minha casa ficou trancada. Ainda no mesmo ano, viemos para o Brasil. Nós não escolhemos o país, acabamos vindo para cá, pois o Brasil abriu a porta para os sírios. Cheguei aqui com visto de turismo e tenho o RNE. Não precisei entrar ilegal ou vir de forma perigosa, como muita gente que escapa em embarcações.

Cheguei com meu marido e meus quatro filhos e a recepção dos brasileiros foi muito positiva. No começo, ninguém sabia muito bem da guerra que estava acontecendo na Síria, mas depois de uns dois anos todo mundo já sabia. Viemos sozinhos e com o dinheiro que tínhamos alugamos uma casa e logo começamos a trabalhar com comida árabe. Começamos a vender comida na rua e aceitar encomendas para fora. Hoje, a página do Facebook Muna Sabores & Memórias Árabes atrai mais pedidos e temos até delivery, além de participarmos de eventos.

Lá na Síria, dava aulas de inglês, mas hoje não penso em trabalhar com isso novamente. Gosto de cozinhar. Para mim, é muito importante que as minhas crianças fiquem em um país seguro, onde não precisamos lutar para ficar vivos.

Logo que chegamos ao Brasil, minha filha, que agora tem oito anos, já entrou na escola. Meus gêmeos de seis anos e meu outro filho de quatro anos também entraram na creche quando chegamos. Em casa, vivemos como se estivéssemos na Síria. Mas não dá para negar que o ambiente aqui é diferente. Não dá para seguir exatamente a mesma vida, mas tudo bem.

Gosto de viver aqui no Brasil. Ninguém se mete na sua vida e o povo não tem problemas com diferentes religiões, como a nossa, muçulmana. Mas claro que sinto saudades das minhas amigas lá na Síria.