"Fui tirada da casa como um lixo", diz idosa negra despejada de casa em Teresina

Há mais de 30 anos atrás, Maria das Dores da Silva Machado conquistava um sonho: ter a casa própria no bairro Dirceu I, na Zona Sudeste de Teresina, no Piauí, onde morava com o esposo e mais cinco filhos. No entanto, o sonho da moradora, de 60 anos, foi destruído na Justiça após enfrentar uma longa batalha para ter direito a um espaço que conquistou.

Tudo começou em 2008, quando Dona Maria, como é conhecida, foi convocada pela então Companhia de Habitação do Estado do Piauí (Coahb), atual Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi), para fazer a quitação de pendências do imóvel que fazia parte dos conjuntos habitacionais da Cohab, da Agência de Desenvolvimento Habitacional (ADH). Na época, o débito custava R$ 2 mil, valor que, mesmo com dificuldades, foi parcelado em duas vezes e pago por Maria das Dores.

No entanto, foi no pagamento da segunda parcela, em 2009, que a moradora foi informada de que o imóvel havia sido vendido por leilão. Familiares alegam que ela não havia sido consultada nem informada sobre o processo e que, inclusive, todos os débitos haviam sido pagos antes dos prazos determinados pela atual Emgerpi.

Desde então, Dona Maria encara um processo para ter direito a casa, sendo que na última semana, ela foi despejada por forças policiais de Teresina e teve a casa demolida. A história da moradora causou mobilização entre os habitantes da localidade, que tem pedido justiça para que ela tenha a casa de volta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos