"Fui tirada da casa como um lixo", diz idosa negra despejada de casa em Teresina

·3 minuto de leitura

Há mais de 30 anos atrás, Maria das Dores da Silva Machado conquistava um sonho: ter a casa própria no bairro Dirceu I, na Zona Sudeste de Teresina, no Piauí, onde morava com o esposo e mais cinco filhos. 

No entanto, o sonho da moradora, de 60 anos, foi destruído na Justiça após enfrentar uma longa batalha para ter direito a um espaço que conquistou. 

Tudo começou em 2008, quando Dona Maria, como é conhecida, foi convocada pela então Companhia de Habitação do Estado do Piauí (Coahb), atual Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi), para fazer a quitação de pendências do imóvel que fazia parte dos conjuntos habitacionais da Cohab, da Agência de Desenvolvimento Habitacional (ADH). 

Na época, o débito custava R$ 2 mil, valor que, mesmo com dificuldades, foi parcelado em duas vezes e pago por Maria das Dores.

No entanto, foi no pagamento da segunda parcela, em 2009, que a moradora foi informada de que o imóvel havia sido vendido por leilão. Familiares alegam que ela não havia sido consultada nem informada sobre o processo e que, inclusive, todos os débitos haviam sido pagos antes dos prazos determinados pela atual Emgerpi. 

Desde então, Dona Maria encara um processo para ter direito a casa, sendo que na última semana, ela foi despejada por forças policiais de Teresina e teve a casa demolida. A história da moradora causou mobilização entre os habitantes da localidade, que tem pedido justiça para que ela tenha a casa de volta.

Em um vídeo, divulgado pela líder da comunidade ribeirinha Boa Esperança, Maria Lúcia, a idosa relata a situação e diz: "Me tiraram com a polícia dentro da minha casa, tinha polícia do Rone [Ronda Noturna Especial]. Eu fui tirada de dentro da casa como uma cachorra, como um lixo".

Hebert, um dos filhos mais velhos da idosa, também gravou um vídeo em que mostra documentos que desmentem a versão da Emgerpi, de que o imóvel não estaria regular. Ele também afirma que a casa foi vendida a um procurador de nome Gerson Gomes Pereira.

Segundo a filha da moradora, Acassia Kelly da Silva Machado, Dona Maria tem passado por problemas de saúde e crises de ansiedade por causa da demolição da casa.

"Ela não dorme, não se alimenta, chora o dia todo [...] Agora estou procurando um psicólogo para ela porque ela tem passado mal".

Denúncias

À Alma Preta, a líder quilombola Maria Lúcia contou que a ações de despejo e venda de imóveis têm sido recorrentes na localidade, que, segundo ela, faz parte de uma especulação imobiliária.

Ela citou o caso de um morador da comunidade Boa Esperança, identificado como Seu Raimundo, de 70 anos, que teria passado pela mesma situação de Dona Maria. No entanto, o caso dele conseguiu ser revertido após a mobilização da comunidade.

Para a líder quilombola, a situação de Dona Maria tem sido dificultado por envolver figuras da esfera judicial.

"Eles se aproveitaram disso e fizeram essa costura com o processo não concluso", diz Maria Lúcia, que completou dizendo: "Quando eles não conseguem vender os nossos corpos, eles vendem nossas terras".

O que diz a Emgerpi?

A Alma Preta entrou em contato com a Emgerpi para buscar esclarecimentos sobre os motivos do imóvel ter ido a leilão mesmo com as parcelas da quitação pagas. No entanto, não obtivemos o retorno até o fechamento da matéria.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos