Funai não pode falar mal de Bruno e Dom, determina Justiça

Dom Phillips e Bruno Pereira, que já foi servidor da Funai, estão desaparecidos desde o dia 5 de junho. (Foto: AP Photo/Bruna Prado)
Dom Phillips e Bruno Pereira, que já foi servidor da Funai, estão desaparecidos desde o dia 5 de junho. (Foto: AP Photo/Bruna Prado)
  • Organização terá de tirar nota de esclarecimento do ar

  • Juíza entende que afirmações ferem dignidade de desaparecidos e dos povos indígenas

  • Funai também deverá garantir segurança no Vale do Javari

A Fundação Nacional do Índio (Funai) está proibida pela Justiça Federal de fazer comentários “tendentes a desacreditar a trajetória” do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo Pereira, desaparecidos na região de Atalaia do Norte (AM) desde 5 de junho.

A decisão é assinada pela juíza Jaíza Maria Pinto Fraxe, da 1ª Vara Federal Cível do Amazonas, atendendo a pedido da Defensoria Pública da União (DPU). O texto também obriga a Funai a retirar do ar uma nota de esclarecimento na qual afirma que a dupla não tinha autorização para circular em área indígena, publicado em 10 de junho.

No mesmo texto, a Funai ainda afirma que irá acionar o Ministério Público Federal (MPF) para investigar a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja) por permitir a circulação de pessoas sem autorização da organização e sem realizar teste de covid-19 e cumprir quarentena de 14 dias.

Desaparecimento de Dom e Bruno: tudo o que você precisa saber

No entendimento da juíza, a nota tem “afirmações incompatíveis com a realidade dos fatos e com os direitos dos povos indígenas”. Ainda segundo a decisão desta quarta, é necessário preservar a “a dignidade dos desaparecidos” e evitar comentário que “implique em injusta perseguição” a servidores da Funai que atuam na Coordenação Regional no Vale do Javari ou à Univaja.

A decisão ainda obriga a Funai a garantir a segurança de seus servidores e dos povos indígenas que vivem no Vale do Javari.

Preso segundo suspeito

Oseney da Costa de Oliveira, de 41 anos, conhecido como "Dos Santos", foi preso temporariamente nesta terça-feira (14), suspeito de participação no desaparecimento do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips. A informação é do portal g1.

Segundo a Polícia Federal, Oseney é suspeito de participar do desaparecimento com Amarildo da Costa Oliveira, também conhecido como “Pelado” —ele está preso no município de Atalaia do Norte, no Amazonas, mas nega envolvimento no caso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos