Funai troca de nome e indígenas fazem ritual de purificação em gabinetes

Criada há 56 anos, a Fundação Nacional do Índio (Funai) passa a se chamar Fundação Nacional dos Povos Indígenas. Publicada nesta segunda-feira, a alteração consta de medida provisória que estabelece a organização básica dos órgãos do Executivo.

A mudança é um pedido antigo de indigenistas e entidades como a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), cuja liderança, Sonia Guajajara, foi escolhida por Lula para comandar o novo Ministério dos Povos Indígenas. O termo “índio” é considerado preconceituoso e impreciso por especialistas, uma vez que generaliza as mais de 300 etnias existentes no Brasil.

Veja também: Quem é Sônia Guajajara, futura ministra do Povos Indígenas

Lula e Janja: Do namoro durante a prisão ao beijo na posse; relembre como o casal se conheceu

Primeira indígena a ser escolhida para presidir a Funai em 56 anos, a deputada federal Joenia Wapichana esteve na manhã desta segunda-feira na sede do órgão, onde foi homenageada por servidores e delegações de etnias. Durante o evento, houve uma série de rituais com maracás e defumação que visaram “purificar” as salas. Até 29 de dezembro, o órgão era comandado pelo delegado federal Marcelo Xavier, tido como desafeto de indigenistas e indígenas.

“É um momento histórico para os povos indígenas do Brasil, que, depois de tanta afronta, retrocesso e tendo o único órgão indigenista totalmente sucateado, desmantelado, hoje, retomar a Funai. Uma Funai que é nossa”, escreveu Joenia em uma publicação nas redes sociais.

Organizada para que a nova dirigente conhecesse as dependências físicas do órgão, a cerimônia contou com a presença do cacique Raoni Metuktire, uma das principais lideranças indígenas do país, que foi um dos responsáveis por passar a faixa presidencial a Lula no dia da posse. A deputada federal Célia Xakriabá (PSOL), primeira parlamentar indígena eleita por Minas Gerais, e o novo secretário de Saúde Indígena, Weibe Tapeba, também participaram.

Uma fotografia do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, assassinados a tiros de espingarda na região amazônica do Vale do Javari há seis meses, foi pendurada na parede da sala onde ocorreu o evento, organizado pela associação de servidores Indigenistas Associados (INA). Joenia ainda aguarda a nomeação oficial para presidir o órgão.

“Ainda como deputada federal na atual legislatura, única indígena, devo seguir alguns procedimentos para então ser nomeada e assumir, oficialmente, a presidência da Funai”, afirmou ela no Instagram.